A Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa comunica as defesas de agosto de 2022

Data da defesa: 08/08/2022

Autor: Giovani Leandro Zago

Orientador: Prof. Dr. Renato Telles

Programa: Mestrado em Administração

Título: Smart contracts: fatores de decisão para adoção em redes de negócios

Resumo: Smart contracts é uma tecnologia disruptiva de impacto na Revolução Industrial 4.0 e na própria sociedade 4.0. São contratos digitais construídos em um código de computador e armazenados no blockchain, autoexecutáveis, de caráter descentralizado que prezam pela praticidade, redução de custos e pelo anonimato.  O problema de pesquisa está baseado em quais os fatores condicionantes na adoção de Smart Contracts por organizações em redes de negócios. Objetiva-se, primeiramente, abordar a origem histórica e a evolução conceitual dos contratos inteligentes. Posteriormente, realizar uma análise para identificar fatores que influenciam na adoção pelas organizações. O presente estudo utiliza uma abordagem qualitativa exploratória. Os dados foram coletados por meio de entrevistas on-line. A pesquisa identificou que, para a maioria das organizações adotantes ou potencialmente adotantes dos Smart Contracts, a segurança predomina entre os fatores apontados como benefícios para a adoção, seguido por redução de custos, fatores como falta de conhecimento e legislação foram demonstrados como sendo barreiras a serem superadas para a adoção dos Smart Contracts nas organizações em redes em negócios.

 

 

Data da defesa: 10/08/2022

Autor: Pedro Luiz Cypriano Pierucci

Orientador: Prof. Dr. Feni Dalano Roosevelt Agostinho

Programa: Mestrado em Engenharia de Produção

Título: Cidades inteligentes e sustentáveis: uma análise de correlações e variáveis dependentes

Resumo: Até 2050, 66% da população mundial viverá em cidades, e haverá grandes desafios relacionados à economia, meio ambiente e qualidade de vida. Para enfrentar esses desafios, as cidades vêm implantando modelos de gestão urbana, baseados nos conceitos de “sustentabilidade” e de “inteligência” (do inglês, smart cities). Porém esses conceitos são muitas vezes mal interpretados e utilizados de forma errônea, não possuem sólida conceitualização e são considerados como sinônimos. O objetivo deste estudo é verificar se existe correlação entre indicadores de sustentabilidade e de inteligência de cidades, e quais variáveis socioeconômicas e geográficas possuem influência sobre eles. Foi considerada uma amostra de 130 cidades composta por 5 cidades de cada estado brasileiro e seus respectivos indicadores de sustentabilidade obtidos na Mandala ODS (quantificados com auxílio do modelo de sustentabilidade dos cinco setores; 5SEnSU) e de inteligência obtidos do Ranking Connected Smart Cities. Os resultados mostram que: (i) o uso do 5SEnSU e da programação por metas permite quantificar e hierarquizar  cidades em relação ao seu nível de sustentabilidade, através de um indicador único, fornecendo subsídios (benchmark) para as cidades, que almejam alcançar o mesmo desempenho das cidades mais sustentáveis; (ii) existe associação entre os indicadores socioeconômicos e geográficos de “Região”, “IDH”, “Incidência de Pobreza”, “Área Territorial”, “PIB per capita” e “GINI” com os níveis de sustentabilidade e de inteligência de cidades; (iii) não existe correlação entre os adjetivos sustentável (medido pela Mandala ODS) e inteligente (medido pelo Connected Smart Cities). O estudo contribui com as discussões sobre o significado de cidades sustentáveis e inteligentes e como quantificá-las, além de fornecer subsídios aos gestores municipais sobre quais variáveis socioeconômicas e geográficas poderiam levar uma cidade a possuir maior nível de sustentabilidade e/ou inteligência.

 

 

Data da defesa: 12/08/2022

Autor: Anderson William Marzinhowsky Benaglia

Orientador: Profa. Dra. Barbara Heller

Programa: Doutorado em Comunicação

Título: Das liberdades poéticas à prisão intelectual: a censura do estado de São Paulo em livros para remição de pena por leitura

Resumo: Esta é uma pesquisa de abordagem qualitativa, realizada pela metodologia de estudo de caso (YIN, 2015), que visa investigar as razões da censura praticada no estado de São Paulo, em fevereiro de 2020, sobre os livros que seriam destinados ao projeto “Remição em Rede”, que oferecia clubes de leitura nos presídios paulistas com a finalidade de abonar dias das penas dos custodiados. Nossa ferramenta de análise de dados é a Análise Discursiva, amparada em Mikhail Bakhtin (2014; 2017 e 2020), principalmente por meio dos seus conceitos dialogismo e palavra. Os livros, por serem mídias (BAITELLO JUNIOR, 1998; COSTA, 2014; HELLER et al., 2020), justificam a aderência da pesquisa na área da comunicação. Inicialmente descrevemos o evento a partir de múltiplas fontes que o noticiaram e, em seguida, o analisamos, sustentados nos diferentes referenciais teóricos, de distintas áreas do conhecimento. Sobre a censura, principalmente, Carneiro (2002; 2006), Fico (2002), Costa (2006; 2008; 2011), Reimão (2011; 2014; 2016) Paganotti (2012), Darnton (2016) e Nodelman (2020). Quanto ao encarceramento, Carnelutti (1957), Foucault (1987), Wacquant (2001), Gerland (2008), Cunha (2015), Wojciechowski (2015), Rodrigues (2016), Zaffaroni (2017), entre outros. Já acerca da remição de pena por leitura, especialmente, Petit (2010), Candido (2011), Capez (2012), Torres (2017) e Nucci (2018). Análises de documentos e dados estatísticos oficiais, além da própria legislação também são contemplados nesta pesquisa. Concluímos que as obras censuradas obedecem ao padrão censório previsto por Costa (2008), quanto aos seus temas de ordem moral, social, política e religiosa, embora esta última não esteja presente de forma exclusiva nas obras do caso estudado. Entretanto, nossa generalização analítica, isto é, o que se pode aproveitar como dado em casos futuros de mesma envergadura é que a censura foi realizada, independentemente, das obras envolvidas no projeto, mas sim pelo uso delas: conceder um benefício à população que deve permanecer encarcerada, invisibilizada e desprovida de quaisquer direitos.

 

 

Data da defesa: 12/08/2022

Autor: Michael Bedros Arsenian

Orientador: Prof. Dr. Élcio Magdalena Giovani

Programa: Doutorado em Odontologia

Título: Epidemiologia de Síndrome de Burnout através de indicadores sociodemográficos e análise da saliva de policiais militares do quadro de saúde durante o enfrentamento do COVID-19

Resumo: Objetivo: mensurar a prevalência de burnout e de biomarcadores salivares em policiais militares do quadro de saúde de São Paulo que atuaram na linha de frente da pandemia da COVID-19. Métodos: foi realizado estudo observacional com corte transversal em amostra de 104 participantes estratificados por idade, cor da pele, gênero, patente militar, função desempenhada, tempo de serviço, uso de medicamentos, tabagismo, etilismo e renda econômica. A apuração dos dados sociodemográficos coletados utilizou o inventário de burnout de Maslach adaptado e exame da saliva, através da espectroscopia de infravermelho por transformada de Fourier. Os testes estatísticos de qui-quadrado, de PLS-DA e de hipótese foram fixados em 5%. Resultados: quando em análise conjunta, os indicadores sociodemográficos apresentaram associação estatística com burnout, pelo p-valor de 62,72. Do total da amostra 80,77% apresentaram burnout e 19,23% apresentaram risco de desenvolvimento. Os testes salivares indicaram a presença de biomarcadores (amida, fragmentos genéticos e polissacarídeos) que reforçam os parâmetros validados de diagnóstico precoce para burnout. Conclusões: do total da amostra estudada, 80,77% apresentaram burnout e 19,23% risco de desenvolvimento da doença. Mulheres brancas, entre 30 a 40 anos, auxiliares de saúde, com mediana entre 03 e 06 salários mínimos e com menos de 10 anos de serviço apresentaram as prevalências mais altas de burnout quando comparados aos seus pares durante o enfrentamento da COVID-19. Houve associação dos indicadores sociodemográficos em sua totalidade em relação aos níveis mensurados de estresse. Biomarcadores salivares apresentaram associação com estresse na fase inicial. Existe uma premente necessidade de novos estudos, visando fundamentar maiores conhecimentos a essa população pesquisada.

 

 

Data da defesa: 12/08/2022

Autor: Amanda Leal da Silva

Orientador: Profa. Dra. Ivana Barbosa Suffredini

Programa: Doutorado em Patologia Ambiental e Experimental

Título: Estudo biológico e químico de briófitas antárticas em modelos de citotoxicidade, antimicrobianos, antioxidantes e inibidores enzimáticos

Resumo: A vegetação antártica é predominantemente composta por briófitas que se destacam pela sua abundância e por apresentarem alta capacidade de adaptação a diferentes condições ambientais, sugerindo uma taxa de adaptabilidade metabólica elevada. São conhecidas cerca de 116 espécies antárticas, a maioria das quais restrita à região da Península Antártica. Alguns organismos antárticos já foram estudados quanto aos compostos químicos isolados e à atividade biológica, entre eles o musgo Polytrichastrum alpinum (Hedwig) G.L. Smith, embora o conhecimento relacionado a outras espécies seja escasso. Sanionia uncinata (Hedw.) Loeske foi escolhida como espécie alvo para o projeto, por ser amplamente distribuída na região; a fim de se investigar o potencial farmacológico da espécie, extratos etanólicos de espécimes coletados em diferentes localidades na península Keller foram obtidos por maceração e foram submetidos a ensaios de avaliação antimicrobiana, citotóxica, antioxidante e de ação inibidora enzimática, em modelos in vitro de bioautografia, de viabilidade celular e de autografia, respectivamente. Os extratos apresentaram atividade antibacteriana somente contra Staphylococcus aureus, embora tenha sido testada contra Streptococcus mutans, Enterococcus faecalis, Escherichia coli e Candida albicans. Alguns dos extratos ainda apresentaram atividade citotóxica contra as células testadas, atividade antioxidante e sequestradora de radicais livres e inibição da acetilcolinesterase, uma enzima importante na patofisiologia do mal de Alzheimer. Ainda que os resultados sejam promissores, há a necessidade de se avaliar o perfil químico dos extratos vegetais obtidos da espécie antártica, tanto daqueles que apresentaram atividade quanto dos que não apresentaram, para um melhor entendimento dos resultados obtidos.

 

 

Data da defesa: 19/08/2022

Autora: Nilza Aparecida dos Santos

Orientador: Profa. Dra. Márcia Terra da Silva

Programa: Doutorado em Engenharia de Produção

Título: Desafios da cadeia automotiva no Brasil para transição à Indústria 4.0

Resumo: O contínuo processo de aperfeiçoamento tecnológico resultou, no século XXI, em um novo modo de produção chamado de Indústria 4.0. No cenário nacional, a inovação tecnológica é um elemento competitivo que enfrenta muitos desafios, especialmente para as empresas de menor porte. Considera-se que soluções menos utópicas que a automatização ampla possa oferecer oportunidades reais de concorrência no âmbito local. Além disso, a Indústria 4.0 representa uma mudança relevante na forma como as cadeias de suprimentos são gerenciadas. Interessa, neste caso, explorar como o aporte de novas tecnologias está associado à cadeia automotiva no contexto do mercado brasileiro. A questão que norteia esta tese consiste em identificar os desafios e as condições da cadeia de suprimentos do segmento automotivo no Brasil para o uso de tecnologias abarcadas pela Indústria 4.0, com o objetivo de avaliar os desafios enfrentados por montadoras e autopeças para a adoção dessas tecnologias ao longo da cadeia de suprimentos. Para atendimento do objetivo de pesquisa, optou-se por um estudo de casos múltiplos, com cinco empresas que compõem a cadeia automotiva, e duas surveys realizadas com participantes que ocupam cargos de liderança em montadoras e autopeças. Os resultados possibilitaram a compreensão de como a falta de conectividade acentua as dificuldades de integração e colaboração na cadeia automotiva, e de que a defasagem tecnológica é maior para as autopeças e que iniciativas de integração para utilização de tecnologias contribuem para a disseminação de conhecimento e se configuram como passos iniciais para que as empresas de menor porte também possam evoluir rumo à transição.

 

 

Data da defesa: 23/08/2022

Autor: Antonio Carlos Estender

Orientador: Prof. Dr. Oduvaldo Vendrametto

Programa: Doutorado em Engenharia de Produção

Título: Fortalecimento de microeconomia por meio da alimentação escolar

Resumo: Este trabalho analisa e investiga o fortalecimento da microeconomia e seu impacto na renda da comunidade; o fomento econômico, por meio dos programas da alimentação escolar; e o apoio à microeconomia, por meio dos gastos e despesas com a alimentação escolar oriundos das compras públicas. O objetivo do estudo é avaliar como os recursos provenientes dos programas da alimentação escolar contribuem com a microeconomia, agregando renda aos agricultores familiares, à comunidade e aos participantes da cadeia curta, trazendo retornos socioeconômicos para o município. Os gastos com as compras públicas para alimentação escolar devem ser realizados no próprio município, retroalimentando a economia local por meio de compras de materiais, equipamentos, serviços, manutenção e transporte, promovendo a cidadania alimentar, criando empregos, gerando renda e aumento de arrecadação dos impostos, além de benefícios sociais. A tese explora a relação entre alimentação escolar, desenvolvimento sustentável, agricultura familiar e geração de renda, mostrando a necessidade de iniciativas que promovam o fomento econômico local pelos diferentes agentes econômicos envolvidos no sistema de tomada de decisão em torno da alimentação escolar, dos produtores e fornecedores. Os efeitos econômicos, sociais e do desenvolvimento sustentável provenientes da alimentação escolar influenciam no desempenho econômico da região. Apesar das dificuldades políticas e econômicas que têm marcado a realidade nacional, os programas de alimentação pública fortalecem a alimentação escolar, por meio do uso de alimentos de qualidade e ricos em fibras, do fomento à microeconomia para a produção e fornecimento de alimentos e da busca pelo desenvolvimento social. A pesquisa exploratória e o estudo de caso foram identificados como os mais apropriados para a investigação realizada.

 

 

Data da defesa: 26/08/2022

Autor: Luiz Rodrigo Bonette

Orientadora: Profa. Dra. Márcia Terra da Silva

Programa: Doutorado em Engenharia de Produção

Título: Proposta de um modelo de classificação de transporte público para cidades inteligentes baseado em tecnologias

Resumo: Ao longo dos últimos 200 anos, a evolução do transporte público caminhou ao lado do planejamento urbano. Com o advento das cidades inteligentes, esse tipo de transporte passou de um sistema físico de projeção da infraestrutura da cidade para sistemas virtualizados e hiperconectados tecnologicamente, seguindo as modificações vindas com as novas formas de gestão urbana. Essas novas formas de gestão implicam, também, a preocupação com o transporte sustentável e com o uso de fontes de energia renováveis e alternativas, além da inserção de novas tecnologias para melhorar a informação para os usuários. A tecnologia digital, a sustentabilidade e a comunicação são variáveis significativas para a avaliação dos sistemas de transporte de massa e, consequentemente, para a evolução desse transporte junto com o planejamento urbano. O objetivo geral deste estudo é propor um modelo de classificação para sistemas de transporte urbano de massa, baseado nessas três variáveis. Para alcançar esse objetivo, a metodologia desta tese foi desenvolvida da seguinte maneira: foram feitos três estudos na forma de artigos, que compõem a tese. O primeiro, utilizou o método SNA para realizar uma análise das redes de transporte de massa, compostas por tecnologia de transporte, fonte de energia, modo de transporte e dados socioeconômicos. No segundo, foi feita uma revisão da literatura através de análise textual mecanizada pelo software Iramuteq, a fim de separar os tipos de tecnologia em “inteligente” e “sustentável”. O terceiro foi um estudo de caso múltiplo com a triangulação de três bases de dados de 4 cidades com perfil metropolitano, que propõe uma classificação abrangente do transporte público. Com base nesses três estudos, percebeu-se a necessidade de se inserir novas tecnologias nas redes de transporte, separando-as nas duas classes mostradas pela análise do Iramuteq, e, por fim, foi proposto o modelo mais específico e sistematizado, com adição de indicadores aos dois grupos de tecnologias, considerando a classificação anteriormente elaborada. Essa proposta de modelo de classificação de sistemas de transporte público utiliza as três variáveis, possibilitando a classificação do sistema de transporte de massa na cidade inteligente como mais ou menos autônoma e equânime, em relação à produção, coleta e utilização dos dados advindos da virtualização e hiperconectividade, à poluição ambiental e à comunicação com os usuários. A estrutura do modelo possibilita a melhora na atualização do serviço prestado pelo transporte de massa, consoante com a governança compartilhada nas tomadas de decisões do planejamento desse tipo de transporte entre usuários, prestadores de serviços e gestores.