Histórias da vida de um tetracampeão

Mario Jorge Lobo Zagallo, tetracampeão mundial de futebol e atual coordenador-técnico da Seleção Brasileira, foi o convidado da UNIP para participar do Programa Multiensino, falando sobre As 13 letras que compõem futebol-paixão e amor ao esporte, no campus Indianópolis, no dia 24 de setembro. A palestra teve transmissão via satélite, em tempo real, para todo o Brasil, através da TV Web UNIP e da Rede Brasileira de Integração (RBI), sintonizada em São Paulo no canal 14-UHF, e em Brasília no canal 17-UHF.

Em um bate-papo descontraído, Zagallo contou histórias de sua vida pessoal e profissional e respondeu curiosidades do público presente. Começou narrando que, quando criança, jogava bola no gramado do Estádio do Maracanã. Sua carreira como jogador juvenil iniciou-se no América do Rio de Janeiro, no final da década de 40. Nessa época, foi servir no Exército e, como soldado, pôde acompanhar a partida final da Copa do Mundo de 1950, quando o Brasil perdeu o título para o Uruguai.

Quando saiu do Exército foi transferido para o Flamengo, onde conquistou o tricampeonato carioca. Para quem não o viu jogar, o Velho Lobo definiu seu estilo: “Eu era driblador, não era muito de fazer gols, mas com o tempo aprendi a ter mais flexibilidade em campo, a ser mais tático”.

Em 1958, Zagallo chegou à sua primeira Copa do Mundo, na Suécia. Esteve para ser cortado da lista de convocados, mas começou a mostrar mais raça e mais vontade em campo, conseguindo superar a concorrência com os jogadores Pepe e Canhoteiro.

Quando retornou da Suécia, foi transferido para o Botafogo. Lá, jogou ao lado de Garrincha e continuou na seleção, ainda como jogador, conquistando o bicampeonato mundial, no Chile.
Aos 34 anos, trocou os gramados pelo posto de treinador do time juvenil do próprio Botafogo, onde logo conquistou o título carioca da categoria. Depois de conquistar títulos também na categoria principal, Mario Jorge Lobo Zagallo foi escolhido para substituir o técnico João Saldanha no comando da equipe que disputaria e conquistaria a Copa de 70.

Para Zagallo, o fundamental para o sucesso de um treinador é saber escolher. “Aquele que é líder tem que saber escolher pessoas capacitadas para ter sucesso, porque ninguém ganha nada sozinho. Tem que escolher bem os jogadores e a comissão técnica”, disse.

O coordenador-técnico da seleção ainda participou da campanha do tetra, como auxiliar-técnico de Carlos Alberto Parreira. Voltou a dirigir a seleção em uma Copa do Mundo, em 1998. Essa Copa foi marcada pela polêmica convulsão do atacante Ronaldo. “Nós não perdemos esse título por causa desse acontecimento. É claro que isso mexeu com os jogadores, porque eles viram o que o amigo passou. Escalei o Ronaldo porque ele pediu para jogar e não houve objeção dos médicos”, contou.

E Mario Jorge Lobo Zagallo não se esqueceu de explicar como surgiu sua superstição com o número 13. Ao contrário do que pensam, ele não escolheu esse número porque todos acreditam que dá azar, e sim por causa de Santo Antônio, de quem sua mulher é devota e cujo dia é comemorado em 13 de junho.

Apesar de tantas glórias e conquistas, Zagallo já tem traçado seu próximo objetivo: o hexacampeonato mundial. “Tenho certeza de que o Brasil conquistará esse título na próxima Copa. O time é muito bom e tem capacidade para isso”, acredita.

Para finalizar, a aluna da UNIP e jogadora da seleção feminina de futebol, medalha de prata nas Olimpíadas de Atenas, Juliana Ribeiro Cabral, foi homenageada no evento.

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão

Histórias da vida de um tetracampeão