Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Patologia Ambiental e Experimental

Teses Defendidas - 2013

Título: Estudo morfológico do processo remielinizante no tronco encefálico de ratos diabéticos tratados com ciclosporina
Autor(a): Maria de Fátima Monteiro Martins
Orientador(a): Eduardo Fernandes Bondan
Data da defesa: 06/03/2013
Resumo: A ciclosporina (CsA) demonstrou previamente exercer efeito estimulante no reaparecimento oligodendroglial e sobre sua atividade remielinizante nas margens das lesões induzidas pelo agente gliotóxico brometo de etídio (BE). Este estudo visa investigar se essa ação é capaz de reverter o atraso observado no processo remielinizante desenvolvido pelos oligodendrócitos sobreviventes e pelas células de Schwann invasivas nas áreas de lesão em animais tornados diabéticos, mediante emprego do modelo diabetogênico da estreptozotocina (50 mg/kg, via intraperitoneal). Foram utilizados 102 ratos Wistar machos, divididos nos seguintes grupos experimentais: I- ratos diabéticos injetados com 10 microlitros de BE a 0,1% no tronco encefálico e tratados com CsA (n=20);  II- ratos diabéticos injetados com BE e não tratados com CsA (n=20); III - ratos diabéticos injetados com solução salina a 0,9% e tratados com CsA (n=10); IV - ratos diabéticos injetados com solução salina e não tratados com CsA (n=10); V- ratos diabéticos (controles histológicos; n=2); VI- ratos não diabéticos injetados com BE e tratados com CsA (n=20); VII- ratos não diabéticos injetados com BE e não tratados com CsA (n=20). Os grupos tratados com CsA receberam dose diária de 10 mg/kg durante 7 dias e, após a primeira semana, mediante 3 doses semanais de 10 mg/kg, administradas com intervalo de, no mínimo, 48 horas entre elas. Foram perfundidos por via intracardíaca dos 7 aos 31 dias pós-injeção pontina, com colheita de amostras do tronco encefálico para estudo ultraestrutural por microscopia eletrônica de luz e transmissão. Os resultados entre os grupos foram comparados mediante emprego de método semiquantitativo para registro, em cortes semifinos, da extensão e da natureza da remielinização após lesão gliotóxica. Nos animais não diabéticos, os resultados mostraram que a administração in vivo de CsA, após lesões desmielinizantes induzidas pelo BE, estimulou a remielinização por oligodendrócitos (escores médios de remielinização de 3,72±0,25 para oligodendrócitos e 1,04±0,39 para células de Schwann) em comparação aos animais não tratados (3,13±0,71 e 1,31±0,62, respectivamente). O atraso no processo de remielinização nos animais diabéticos ficou evidenciado pelos escores de remielinização 2,52±0,71 para oligodendrócitos e 0,73±0,47 para células de Schwann. Já a administração de CsA em animais diabéticos foi capaz de reverter os efeitos deletérios do diabetes mellitus sobre a remielinização, conforme observado pelos escores de 3,15±0,5 para oligodendrócitos e 1,36±0,58 para células de Schwann.

Palavras-chave: Ciclosporina; Diabetes mellitus; Remielinização.
Área de Concentração: Patologia Ambiental e Experimental
Linha de Pesquisa: Modelos experimentais em patologia e toxicologia
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Toxicologia do sistema nervoso central