Mestrado em Comunicação

Dissertações Defendidas - 2009

Título: Cultura e Mercado: As duas faces do jornalismo cultural da Folha de S. Paulo
Autor(a): Patricia Rodelli Amoroso
Orientador(a): Antonio Adami
Data da defesa: 29/04/2009
Resumo: O objetivo deste trabalho foi pensar as relações entre cultura e mercado no âmbito do jornalismo, tendo em vista discutir questões relativas ao mercado literário e às produções jornalísticas culturais. O corpus investigado é o caderno cultural Ilustrada e o suplemento dominical Mais!, ambos publicados no jornal Folha de S. Paulo. Observamos a produção das notícias culturais publicadas no período de setembro a dezembro de 2007, para verificar de que forma podem ou não interferir no processo de consagração de uma obra literária como best-seller e a estratégia que a Folha emprega para transitar entre as duas faces do seu jornalismo: mercado e cultura. Como referencial teórico, utilizamos os estudos da economia das trocas simbólicas de Pierre Bourdieu (2007) que versam sobre as estruturas das relações objetivas entre o campo de produção erudita e o campo da indústria cultural. No âmbito da comunicação, ao tratar da produção de notícias na mídia, recorremos aos estudos teóricos no campo do jornalismo, em especial, aos valores-notícia (TRAQUINA, 2005), aos gêneros jornalísticos (MARQUES DE MELO, 1985) e ao pesquisador Chaparro (2008). Com base nos pressupostos metodológicos de Laurence Bardin (1988), os dados foram discutidos pela análise de conteúdo e suas técnicas de análise documental de textos. Esta pesquisa procurou demonstrar a especificidade de acontecimentos noticiados, especialmente, os que fazem menção à obra literária “Elite da Tropa” e ao filme “Tropa de Elite”. Esbarramos no fato de a produção cultural da obra literária se assentar na lógica do mercado. Percebemos a relação que se instaura objetivamente entre cultura e mercado, operando como instância de consagração, dada à capacidade que a mídia tem de alavancar a notoriedade de uma obra, mesmo que esse processo não seja escancarado, mas dissimulado por técnicas jornalísticas. Isso é o que permite viver as duas faces ambivalentes na produção do jornalismo cultural, ou seja, a da cultura e do mercado. Tais mecanismos levam ao retrato de jornalismo cultural hoje praticado pelo maior jornal em circulação no País, cujos dados revelam a inversão desse trânsito cultural, ou seja, a divulgação dos acontecimentos noticiados da cultura de massa, no caso, o filme, proporciona maior destaque à cultura erudita, no caso, a obra literária, fazendo com que a Folha tangencie as relações entre imprensa e literatura aplicando uma espécie de “verniz”, como um polimento, um tom à maneira de cortesia de produção cultural jornalística dirigida a seu público leitor.

Palavras-chave: Jornalismo Cultural. Best-Sellers. Gêneros Jornalísticos. Valores-Notícia.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Comunicação, cultura e memória


Título: O Processo de Implantação da TV Digital Aberta no Brasil
Autor(a): Ivan Peñuela
Orientador(a): Malena Segura Contrera
Data da defesa: 25/06/2009
Resumo: A televisão aberta brasileira está no início do processo de “migração” do sistema analógico para o digital. O novo formato promoverá uma série de alterações na forma como se vê e se concebe a televisão hoje, o mundo que ela representa e, ainda, a possibilidade desse ambiente televisual se expandir, por meio da convergência com outros veículos de comunicação.
Esta pesquisa se propõe, a partir da atual situação das pesquisas em TV digital (2009), analisar o atual uso das novas “ferramentas” disponíveis no novo padrão de televisão aberta e suas possíveis repercussões no cenário da comunicação social. Para tanto, procurou-se evidenciar aspectos mais relevantes que constituem importantes componentes de um Modelo de Negócios que deve ser revisto, para que as possibilidades criativas e comunicativas possam se desenvolver a partir de uma utilização menos banal e comercial dos novos recursos.   
O enfoque escolhido recai sobre as políticas de comunicação, destacando a importância de processos como:

  1. As concessões de canais, uma vez que no sistema digital temos um melhor aproveitamento do espectro de frequência e, por conseguinte, a possibilidade de surgimento de novos atores em um cenário extremamente “fechado”.
  2. As reais possibilidades interativas do novo sistema e a utilização deste recurso apenas como rótulo publicitário, o estabelecimento ou não de aplicações interativas (e o que se entende, atualmente, por interatividade na mídia).
  3. A convergência tecnológica com a telefonia (portabilidade da mídia). A expansão do universo televisivo e as possíveis alterações de comportamento social promovidas por este recurso.
  4. Questões relacionadas à imagem perfeita proporcionada pela tecnologia digital e algumas decorrências que se camuflam neste processo, apresentadas no último capítulo do trabalho.

O objetivo é analisar as implicações comunicativas propriamente ditas, de um processo que tem sido discutido apenas no âmbito da técnica, deixando à margem aspectos extremamente relevantes no campo da Comunicação Social.
Nestas implicações comunicativas, inclui-se a discussão de aspectos como o neonomadismo social, a hiperconectividade e o papel das interações neste cenário, bem como o fetichismo pela técnica, todos relacionados às aplicações e utilizações das novas tecnologias digitais que passam a compor o universo da televisão aberta brasileira.

Palavras-chave: Interatividade. Concessões. Convergência. Políticas de Comunicação. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia e Cultura