Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação

Memória e Nomadismo na Cultura Audiovisual Brasileira da Década de 1950: Por Uma Oralidade Reconfigurada

Ementa

Abordagem do processo de nomadismo e movência (Zumthor) nas linguagens midiáticas em que o componente da oralidade se faz presente, a despeito da prevalência do aspecto visual da linguagem, sobretudo, na década de 1950, quando a transição se dá a partir de procedimentos metalinguísticos, tais como a paródia, a ironia e a transfiguração kitsch. Análise comparativa de obras para estudar o trânsito entre arte culta e o espetáculo de entretenimento popular, bem como investigar como elementos morfológicos de uma dada obra estabelecem uma semântica própria e de longa duração.

Bibliografia

AUGUSTO, Sérgio: Este mundo é um pandeiro: de Getúlio a JK. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, 1987.
BRANDÃO, José Maurício. Ópera no Brasil: um panorama histórico. Revista Música Hodie, Goiânia, v.12, n.2, 2012. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/musica/article/view/22543/13404.> Acesso em: 11 fev. 2017.
DIAS, Rosângela de Oliveira. O mundo como chanchada: cinema e imaginário das classes populares na década de 50. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.
DORFLES, Gillo. Kitsch: the world of bad taste. New York: Universe Books, 1970.
DULCI, Luciana C. Moda e cinema no Brasil dos anos 50: Eliana e o tipo “mocinha” nas chanchadas cariocas. 2004. Dissertação (Mestrado em Sociologia) - FAFICH/UFMG, Belo Horizonte, 2004.
GUMBRECHT, H. U. Corpo e forma: ensaios para uma crítica não hermenêutica. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1998.
LYRA, Bernadette. Fotogramas do Brasil: as chanchadas. São Paulo: Ed. A Lápis, 2014.
HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1985.
MAC LUHAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. São Paulo: Cultrix, 1988.
MAFFESOLI, Michel. A Sombra de Dionísio: contribuição a uma sociologia da orgia. 2. ed. São Paulo: Zouk, 2005.
MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.
MASSEY, Anne. Hollywood beyond the screen: design and material screen. Oxford: Berg: Oxford Internationals Publishers Ltd., 2000.
MOLES, Abraham. O Kitsch: a arte da felicidade. São Paulo: Perspectiva, 2007.
NEWMAN, Ernest. História das grandes óperas e seus compositores. Rio de Janeiro: Globo, 1957.
ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1988.
PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. Tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade. São Paulo: Ática, 1992.
SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da Vida Privada. São Paulo: Cia. das Letras, 1999.
VIEIRA, João Luiz. A chanchada e o cinema carioca (1930-1955). In: RAMOS, Fernando (Org.) História do Cinema Brasileiro. São Paulo: Art Editora, 1987.
ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. 2.ed. rev. ampl. São Paulo:CosacNaify,2007.
ZUMTHOR, Paul. Escritura e nomadismo. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

Filmografia

A hora mágica. Longametragem. Dir. Guilherme de Almeida Prado, Raiz Produções. 1998.
A viagem do capitão Tornado. Longametragem. Dir. Ettore Scola, Lume Filmes, 1990.
Nem Sansão nem Dalila. Longamentragem. Dir. Carlos Manga. Atlântida, 1954.
O barbeiro que se vira. Longamentragem. Dir. Eurides Ramos. Vera Cruz, 1957.
Sansão e Dalila. Longametragem. Dir. Cecil B. de Mille. Paramount, 1950.