Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação

Estratégias de Persuasão e Manipulação nos Discursos Midiáticos

Ementa

O enunciador, tanto no uso da linguagem verbal quando na imagética e na sonora, dispõe de mecanismos variados para persuadir o enunciatário da validade de seu discurso. Tais mecanismos geram discursos peculiares analisados na disciplina a ser ministrada. Novas tecnologias propiciam rapidez e possibilidades de manipulação mais difíceis de ser detectadas e que questionam premissas antigas, tais como a neutralidade do discurso da imprensa, bem como o caráter testemunhal e verídico da fotografia, tal como proposto por Barthes, entre outros a serem estudados.

Bibliografia

BALOGH, Anna Maria. Conjunções, Disjunções, Transmutações. Da Literatura ao Cinema e à TV. São Paulo: Annablume, ECA/USP, 1996.
BARROS, D. ; FIORIN, J. Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade. São Paulo: Edusp, 1999.
BARROS, Diana. Teoria do discurso: Fundamentos Semióticos. São Paulo: Atual, 1988.
BERTRAND, DENIS. Caminhos da Semiótica Literária. Bauru: EDUSC, 2003.
FIORIN, J. l. As Astúcias da Enunciação. São Paulo: Ática, 1996.
FOCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1998.
GARCÍA JIMÉNEZ, Jesus. Narrativa Audiovisual. Madrid: Cátedra. 1996.
GENETTE, Gérard. Palimprestes. Paris: Seuil, 1982.
GONZÁLEZ REQUENA, Jesus. El discurso televisivo: espetáculo de la postmodernidad. Madrid. Cátedra, 1995.
GREIMAS, A.J.; FONTANILLE, J. Sémiotiques des Passions. Paris: Du Seuil, 1991.
JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.
JOST, Francois. L’oeil caméra. Entre film et roman. Cryon: Presses. Universitáires de Lyon, 1989.
JOST, Francóis; GAUDREAULT, André. Le récit cinématographique. France: Nathan, 1990.
MATUCK, Arthur. O potencial dialógico da televisão. Comunicação e arte na perspectiva do receptor. S.Paulo: Annablume, ECA/USP, 1996.
NASCIMENTO, Geraldo Carlos do. Intertextualidade em Atos de Comunicação. São Paulo: Annablume, 2006.
NEWCOMB, Horace. Television: The critical view. N.Y. : Oxford Univ. Press, 1987.
ORTIZ RAMOS, José Mário. Televisão, publicidade e cultura de massa. Petrópolis: Vozes, 1995.
PEÑUELA CANIZAL, Eduardo. A intertextualidade conotada. Significação, São Paulo, n. 9, p. 63-76, 1990.
PLAZA, Júlio. Las Imágenes de Tercera Generación. Telos, Madrid, dic.1990 - feb. 1991, p. 93-111.
REQUENA, González. El Discurso Televisivo: espectáculo de la postmodernidad. Madrid: Cátedra. 1995.
SANTAELLA, L.; MACHADO, I. (Orgs.) Caos e ordem. Mídia, Cultura e Sociedade. S. Paulo: FAPESP, 1998.
SANTOS, Milton. A natureza do Espaço. Técnica e Tempo. Razão e Emoção. São Paulo: EDUSP, 2004.
SILVA, Ignácio Assis. Figurativização e metamorfose. S. Paulo: UNESP, 1995.
SZÁMOSI, Géza. Tempo e Espaço. As Dimensões Gêmeas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
TORÁN, Enrique. El Espacio en la Imagen. Barcelona: Mitre, 1985.
VILCHES, Lorenzo. La Televisión. Los efectos del bien y del mal. Buenos Aires: Paidós, 1999.
VIRILIO, Paul. La Maquina de la Visión. Madrid: Cátedra,1998.
ZUNZUNNEGUI, Santos. Paisajes de la Forma. Madrid: Cátedra, Signo e Imagen, 1994.
ZUNZUNNEGUI, Santos; TALES, Jenaro(Eds.). Contracampo. Ensayos sobre Teoría e Historia del Cine. Madrid: Cátedra,  2007.
REVISTAS: Significação; Face; Comunicações e Artes; Telos; Critérios; Visio; Champs Visuels; Novos Olhares.