Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Comunicação

Introdução Crítica à Cibercultura

Ementa

Estudo das configurações socioculturais da contemporaneidade com o intuito de compreender as tecnologias digitais de comunicação e seu papel nas profundas mudanças experimentadas nos aspectos da vida social contemporânea. Abordagem da cibercultura, compreendida como categoria de época, caracterizadora da fase atual do capitalismo tecnológico e considerada em seus elementos fundantes, e consequências para a comunicação social em redes. Sumário esquemático dos conceitos considerados essenciais para desenvolver uma apreensão do movimento reflexivo da cibercultura em seu aspecto genérico e abrangente. Discussões sobre os usos e apropriações das redes sociais na comunicação, as transformações da relação público/privado e as estratégias de visibilidade e anonimato.

Bibliografia

ADORNO,Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
ANDERS, Günther. La obsolescencia del hombre (Volumen I) - Sobre el alma en la época de la segunda revolución industrial. Valência: Pre-Textos, 2011.
BARBROOK, Richard. Futuros imaginários: das máquinas pensantes à aldeia global. São Paulo: Peirópolis, 2009.
BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Vol. 1. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987
BRETON, Philippe. A Utopia da Comunicação. Lisboa: Instituto Piaget, s/d.
CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação – economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CARR, Nicholas. A geração superficial: o que a internet está fazendo com os nossos cérebros.  Rio de Janeiro: Agir, 2011.
DUPAS, Gilberto. O mito do progresso ou progresso como ideologia. São Paulo: Editora UNESP, 2006.
HEIDEGGER, Martin. A questão da técnica. In: LEÃO, Emmanuel Carneiro (Trad). Ensaios e Conferências. Petrópolis: Vozes, 2001.
JUNG, Carl Gustav. Presente e Futuro. Petrópolis: Vozes, 2007.
KEEN, Andrew. Vertigem digital: por que as redes sociais estão nos dividindo, diminuindo e desorientando? Rio de Janeiro: Zahar, 2012.
KEEN, Andrew. O Culto do Amador. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.
LANIER, Jaron. Gadget: você não é um aplicativo! Um manifesto sobre como a tecnologia interage com a nossa cultura.  São Paulo: Saraiva, 2010.
LÖWY, Michael.  Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.
PARISIER, Eli. O Filtro Invisível: o que a internet está escondendo de você. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2012.
PIERUCCI, Flávio. Desencantamento do mundo. Todos os passos do conceito de Max Weber. São Paulo: Ed. 34, 2003.
POSTMAN, Neil. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. São Paulo: Nobel, 1994.
POSTMAN, Neil. Divertirse hasta morir: el discruso público en la era del "show business".  Barcelona: Ediciones de la Tempestad, 2001.
RÜDIGER, Francisco. Introdução às Teorias da Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2004.
SFEZ, Lucien. Crítica da comunicação. São Paulo: Loyola, 1994.
SIEGEL, Lee. Against the Machine: Being Human in the Age of the Electronic Mob. New York: Spiegel & Grau, 2008.
SIEGEL, Lee. Você está falando sério? São Paulo: Panda Books, 2012.
TRIVINHO, Eugênio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática avançada.  São Paulo: Paulus, 2007.
VIRILIO, Paul. Cibermundo: a política do pior. Lisboa: Teorema, 2000.
VIRILIO, Paul. O espaço crítico e as perspectivas do tempo real. São Paulo: Ed. 34, 2005.
VIRILIO, Paul. Guerra pura: a militarização do cotidiano. São Paulo: Brasiliense, 1984.
VIRILIO, Paul. Velocidade e política. São Paulo: Estação Liberdade, 1996.
WIENER, N. Cibernética e Sociedade: o uso humano de seres humanos. São Paulo: Cultrix, 1968.