A Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa comunica as defesas de agosto de 2020

Data da defesa: 06/08/2020

Autor: Rute Hatsue Oji Wada

Orientador: Profa. Dra. Cecília Maria Villas Bôas de Almeida

Programa: Mestrado em Engenharia de Produção

Título: Avaliação em emergia da cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais

Resumo: Modelo de negócio, em geral, é um conceito de venda de produto com valores monetários. Para a cadeia produtiva de flores, são necessários insumos, como mão de obra, eletricidade, maquinários, combustível, fertilizantes, pesticidas, água e adubo para produzir flores. Em geral, esses insumos são contabilizados para gerar o custo operacional da produção. A distribuição feita por caminhões resulta em uso de combustível fóssil para as entregas até os entrepostos e as floriculturas, para a comercialização das flores. Este trabalho avaliou e comparou quatro modelos de negócio tradicional, on-line, PSS1 e PSS2. A implantação de serviço agregado ao produto nos modelos de negócio tradicional on-line, PSS1 e PSS2, por meio da plataforma digital, proporcionou mudanças nos fluxos de entrada. Para contribuir com uma visão de sustentabilidade nos modelos de negócios, o objetivo do trabalho foi mensurar a quantidade de recursos na cadeia produtiva de flores e plantas ornamentais. Para atingir esses objetivos, indicadores do método em emergia, como a contabilidade ambiental, foram considerados. Os resultados mostram que o modelo de negócio tradicional, on-line, PSS1 e PSS2, possui rendimento (EYR) igual a 1 e alta carga ambiental (ELR) para os quatro modelos de negócio, gerando muito estresse ao meio ambiente. A relação de troca obteve resultado insignificante para comparação e baixa sustentabilidade (ESI) para os quatro modelos de negócio, com valores menores que 1. Implantar tecnologia e PSS no modelo de negócio na cadeia produtiva mostrou que não houve sustentabilidade no sistema. A avaliação em emergia mostrou que modelos de negócios PSS são aplicáveis, podendo ser modificados ao longo do tempo, mas somente a implantação do PSS não mostra sustentabilidade no sistema. Tornar o uso dos recursos mais eficiente é a proposta da sustentabilidade em emergia.

 

Data da defesa: 07/08/2020

Autor: Jair Gustavo de Mello Torres

Orientador: Prof. Dr. Pedro Luiz de Oliveira Costa Neto

Programa: Doutorado em Engenharia de Produção

Título: Um estudo sobre o desenvolvimento de cidades humanas e inteligentes sob a perspectiva do município de São José dos Campos

Resumo: Pela primeira vez na história da humanidade a maioria da população global vive nas cidades. Embora representem apenas 2% da superfície da Terra, as áreas urbanas consomem mais de 70% do total dos recursos mundiais. As cidades desempenham um papel primordial nos aspectos sociais, ambientais e econômicos em todo o mundo. Como consequência do rápido crescimento demográfico, as cidades estão enfrentando desafios inéditos na gestão, como, por exemplo, a mobilidade urbana. A preocupação com a “inteligência” na gestão das cidades é particularmente óbvia na América Latina, uma das regiões mais urbanizadas do mundo. O conceito de Cidade Inteligente é cada vez mais popular na literatura científica e nas políticas internacionais. Para entender esse conceito é importante reconhecer por que as cidades são consideradas elementos-chave para o futuro. No presente trabalho são apresentados artigos que incluíram uma revisão de literatura e estudos de caso em suas metodologias, abordando aspectos de gestão de cidades nas quais se aplicam os conceitos de Cidades Humanas e Inteligentes. Tornou-se evidente durante as pesquisas que há poucos projetos de Cidades Inteligentes que colocam de forma efetiva e contundente o cidadão no centro de todo o processo de planejamento. Foram estudados temas relevantes relacionados à gestão das cidades, como: conceitos e definições de Cidades Inteligentes, Cidades Digitais, Cidades Inclusivas, Cidade Sustentáveis, gestão do conhecimento, formas de participação e engajamento do cidadão, comunidades inteligentes, modelos de maturidade, necessidades do cidadão, serviços, qualidade e empreendedorismo, possibilitando, assim, propor o uso de metodologias centradas no usuário. Para tanto, este estudo sugere o uso de procedimentos centrados no cidadão, como os métodos World Café e o Quality Function Deployment (QFD), nos processos de gestão municipal e em projetos de Cidades Inteligentes, na busca pela inovação nos processos de gestão existentes nos governos municipais, integrando e interagindo o capital intelectual, a cultura local e as novas tecnologias existentes, assim como as que virão a existir, proporcionando o pleno desenvolvimento de uma Cidade Inteligente.

 

Data da defesa: 19/08/2020

Autor: João José Giardulli Junior

Orientador: Prof. Dr. Rodrigo Franco Gonçalves

Programa: Mestrado em Engenharia de Produção

Título: Um estudo exploratório da transição da Indústria 4.0 para a Sociedade 5.0

Resumo: As inovações tecnológicas têm sido uma constante no mundo e têm provocado grandes revoluções não só na economia de escala mas também nas possibilidades de personalização de produtos e na maneira como as pessoas estão vivendo. Este trabalho tem o objetivo de apresentar essas inovações ajudando a entender os fenômenos tanto da Quarta Revolução Industrial como o da Sociedade 5.0, recém-criada no Japão. Para isso, desenvolveu-se uma revisão da bibliografia disponível e uma análise documental. Como resultado, os desafios que se apresentam não são pequenos, porém, suscitam oportunidades de melhorias em várias áreas da sociedade, desde que, para isso, se criem políticas públicas que fomentem a criação de manufaturas inteligentes, o aproveitamento de energias renováveis e uma melhor distribuição de renda na sociedade como forma de sobrevivência do próprio modelo capitalista vigente.

  

Data da defesa: 25/08/2020

Autor: Marco Aurélio Fragomeni

Orientador: Prof. Dr. José Celso Contador

Programa: Mestrado em Administração

Título: A influência das competências organizacionais e dos vínculos interorganizacionais na competitividade de empresas que operam numa rede de negócios na Indústria 4.0

Resumo: Trata-se de uma análise sobre competitividade na denominada Indústria 4.0 – segmento de robôs. A temática envolve uma compreensão dessa competitividade entre empresas, por meio de seu posicionamento no mercado e de suas competências organizacionais, e entre redes de empresas, por intermédio dos vínculos socioeconômicos desenvolvidos entre as firmas participantes da malha. A abordagem empreendida no estudo das redes de negócios tem caráter sistêmico: processa-se mediante o uso da visão holística sobre o fenômeno relacional e se baseia na Teoria dos Custos de Transação. Portanto, utiliza-se das doutrinas da Organização Industrial, da Visão Baseada em Recursos (Resource Based View – RBV) e da abordagem relacional no contexto do CAC-Redes para compreender como as empresas competem entre si. A investigação vai além do escopo inicial e aponta sua lente sobre a Indústria 4.0, ainda incipiente no Brasil, bem como observa o fenômeno da competitividade a partir da tecnologia existente nas empresas da indústria brasileira de robôs. Assim, propõe-se alcançar o objetivo de avaliar a influência das competências organizacionais e dos vínculos interorganizacionais na vantagem competitiva de empresas que operam numa rede de negócios da indústria brasileira de robôs. As ferramentas para o desenvolvimento do tema foram o modelo de Campos e Armas da Competição – CAC (CONTADOR, 2008), aplicado nas empresas da amostra, e o CAC-Redes (CONTADOR, 2018), utilizado sobre as relações empresariais, ainda em fase experimental. Então, o problema de pesquisa é: Quais são os elementos essenciais geradores da competitividade empresarial na indústria brasileira de robôs? A metodologia utiliza uma abordagem qualiquantitativa e adota o modelo hipotético-dedutivo. Os resultados indicaram forte correlação positiva da variável, foco das competências organizacionais e dos vínculos interorganizacionais de uma empresa e de sua rede de negócios com seu grau de competitividade. Verificou-se, também, que os vínculos sociais, como comprometimento e cooperação, e os vínculos econômicos se correlacionaram positivamente com a competitividade. Ademais, a pesquisa evidenciou a existência de associação positiva forte entre a variável tecnológica e o grau de competitividade, apresentando uma composição das tecnologias típicas da Indústria 4.0 na indústria brasileira de robôs.