Coordenadora do curso de Letras realiza debate on-line sobre o filme “O milagre na cela 7”

No dia 4 de maio, a coordenadora geral do curso de Letras, Roseli Gimenes, realizou on-line, por meio do aplicativo Zoom, a palestra Pulsão de vida: O milagre na cela 7. O evento ocorreu como parte do Projeto Cultura em Foco, promovido pelo Instituo Lego, que tem como proposta criar grupos de debates e estudos de obras culturais, como livros, filmes, pinturas e outras manifestações de arte, com um olhar psicanalítico.

A discussão teve como base o filme turco O milagre na cela 7 (2019), de Mehmet Ada Öztekin, abordando o contexto histórico da Turquia na década de 1980, a questão da pena de morte (cuja última execução ocorreu em 1984, sendo abolida apenas em 2004), o terceiro Golpe de Estado no país e o sistema prisional. Além dos aspectos históricos, políticos e sociais, o filme apresenta uma visão crítica em relação aos problemas do protagonista Memo (Aras Bulut Iynemli), um pai solteiro com deficiência intelectual que acaba servindo de chacota à comunidade e, injustamente, é condenado à pena de morte.

Segundo Roseli Gimenes, “a película vem causando comoção nos espectadores e encanta por mostrar muitas metáforas e apresentar ao mundo uma visão idílica entre pai e filha, que se complementa pelo código que ambos mantêm em sua comunicação: Lingo, lingo şişeler, uma referência a uma canção folclórica da Turquia. Apesar de todos os percalços por que passa Memo, a vida assume a importância que merece: a liberdade e o amor.”

Participaram ainda do debate a psicóloga e presidente do Instituto Lego, Regiane Strobilius, acompanhada da diretora administrativa Adriana Almeida Prado, da psicóloga Daniela Gonzalez Pena e da pedagoga e consultora em Educação Inclusiva, Antonia Maria Nakayama.

O evento contou com a presença virtual de alunos do curso de Letras da UNIP, período matutino, dos campi Brasília, Marquês, Goiânia, Santos, Vergueiro, Campinas e do EaD, bem como de estudantes do curso de Psicologia, período matutino, do campus Alphaville. Devido à grande procura e ao limite de usuários on-line no aplicativo, muitos interessados não puderam participar do debate, motivo pelo qual o Instituto Lego prometeu reapresentá-lo em breve.