Gestão de Empresas de Serviços e “"Servitização" da Manufatura

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia de Produção

Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Engenharia de Produção da UNIP é nota 5 na CAPES

Ementa

A escolha organizacional das empresas de bens e serviços como uma configuração que abrange a definição do valor produzido, o posicionamento na rede de produção do valor para o cliente, o processo de produção e a organização do trabalho: conjunto pode estar voltado para a lógica de “Produto Dominante” ou para a lógica de “Serviço Dominante”.
A intangibilidade dos resultados e a subjetividade na organização do trabalho. A participação do cliente no projeto do produto, na operação e no controle dos resultados. A integração das partes organizacionais.
Análise da trajetória de uma empresa que adiciona serviços ao seu leque de produções para analisar e criticar: a estratégia de servitização e a escolha organizacional de uma dada empresa; analisar e criticar a organização do trabalho na linha de frente; criar alternativas para a organização da produção e do trabalho a partir da observação de mudanças no ambiente social, econômico ou tecnológico.

Bibliografia

BOWEN, J.; FORD, R.C. Managing Service Organizations: does having a “thing” make a difference?. Journal of Management, v. 28, n. 3, p. 447-469, 2002.
BRAX, S. A manufacturer becoming service provider - Challenges and a paradox. Managing Service Quality, v. 15, n. 2, p. 142-155, 2005.
BRAX, S. A.; JONSSON, K.  Developing integrated solution offerings for remote diagnostics: A comparative case study of two manufacturers. International Journal of Operations and Production Management , v. 29, n. 5, p. 539-560, 2009.
DAVIES, A.; BRADY, T.;HOBDAY, M. Charting a path toward integrated solutions. Mit Sloan Management Review , v. 47,3, p. 39-+, 2006.
GADREY, J.; ZARIFIAN, P. L’émergence d’un modèle du service: enjeux et réalités.  Paris: Editions Liaisons, 2002.
GUMMESSON, E. Service productivity. International Journal of Service Industry Management, v. 9, n. 4, 1998. Número especial do periódico dedicado à questão da administração da produtividade.
HILL, P. Tangibles, intangibles and services: a new taxonomy for the classification of output. Canadian Journal of Economics (Revue canadienne d’Economique), v. 32, n. 2, 1999.
HOCHSCHILD, A. The Managed Heart. Berkeley: University of California Press, 1983.
HUBAULT, F. La relation de service, opportunités et questions nouvelles pour l’érgonomie. Paris: Octares Editions, 2001.
KINGMAN-BRUNDAGE, J.; GEORGE, W. R.; BOWEN, D. E. Service Logic: achieving service system integration.(revised in 1994). International Journal of Service Industry Management, v. 6, n. 4, p. 20-39, 1995.
LOVELOCK, C. Services Marketing. New Jersey: Prentice Hall, 1996.
NEU, W. A.; BROWN, S. W. Manufacturers forming successful complex business services - Designing an organization to fit the market. International Journal of Service Industry Management , v. 19, n. 2, p. 232-251, 2008.
OLIVA, R.; KALLENBERG, R. Managing the transition from products to services. International Journal of Service Industry Management, v. 14, n. 2, p. 160-172, 2003.
SALERNO, M. S. Relação de Serviço: produção e avaliação. São Paulo: Editora SENAC, 2001.
SCHMENNER, R. W. Manufacturing, service, and their integration: Some history and theory. International Journal of Operations and Production Management , v. 29, n. 5, p. 431-443, 2009.
SILVA, M. T. A organização do trabalho para a produção de acordo com a lógica de serviço: os mecanismos de coordenação em atividades de atendimento ao cliente. 2010. Tese (Livre Docência em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica da USP, São Paulo,  2010.
SILVA, M. T. Organização do Trabalho em Serviços. 1995. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Escola Politécnica da USP, São Paulo, 1995.
SILVA, M. T. Operação de Serviços – uma Visão Geral.