Mestrado em Comunicação

Dissertações Defendidas - 2007

Título: O Sujeito Humano- Maquínico nas Configurações Sociais Proposta pelo Cinema de Ciência - Ficção
Autor(a): Maria Auxiliadora Leite Costa
Orientador(a): Juan Guillermo Droguett
Data da defesa: 02/03/2007
Resumo: O sujeito humano–maquínico nas configurações sociais propostas pelo cinema de ciência–ficção é o título desta dissertação, que tem como objetivo caracterizar uma construção midiática da sétima arte, oferecida como um produto cultural de identificação ao grande público receptor.
Sendo os grupos sociais  de artistas e cientistas, que aparecem na obra Blade Runner - O caçador de andróides, os principais responsáveis pela configuração do tempo e do espaço prefigurado pelo cinema de ciência–ficção, o trabalho analisa tal produção como um paradigma social da passagem da Modernidade à Pós–Modernidade na trama narrativa dessa ficção.
O principal problema enfrentado na pesquisa está relacionado à definição de Modernidade diretamente ligada ao fenômeno de massa e às Revoluções Industriais, que encontram no cinema – invenção moderna por excelência – um outro tipo de revolução, mais difícil de definir por seu caráter estético, advindo do modo de subjetivação que transforma as condutas desses grupos sociais empenhados em se perpetuar por meio das suas representações.
O objeto desta dissertação resulta de uma construção do imaginário cultural que as sociedades promovem, em seu desejo de capturar o tempo. Neste sentido, formula-se uma trajetória metodológica que vai desde a contextualização cultural, com o surgimento do fenômeno de massa, até a aplicação das seguintes categorias, escolhidas em função de nosso trabalho: natural versus artificial; homem versus máquina; o real e o imaginário; a desumanização das cidades e a identidade humana enunciadas pelo próprio idealizador Ridley Scott que,  baseado nos pressupostos de sua prática de cineasta e de pesquisador, reflete em sua obra a relação do sujeito com seu correlato maquínico.
A partir destes pressupostos, enunciados a modo de temática, transformamos estas categorias de análise para evidenciar a trajetória cultural do ser humano em sociedade.
Os principais referenciais teóricos usados neste trabalho se ancoram em obras tais como: A rebelião das massas (2002) de José Ortega Y Gasset; Humano demasiado humano (2005) de Friedrich Nietzsche; Ensaios e conferências (2006) de Martin Heidegger; O discurso filosófico da modernidade (2002) de Jurgen Habermas, para extrair delas as causas do fenômeno de massa e os efeitos que este provocou na sociedade contemporânea.
 Para questões sobre teorias do cinema, utilizamos a obra de Gilles Deleuze La imagen – movimiento (1984), que situa o leitor no âmbito da ciência–ficção e dos efeitos receptivos da câmera, da montagem e da própria filmagem.
Enfim esta dissertação discute, mais do que questões do gênero de ficção, uma temática social e um mal-estar instalado na cultura sobre o futuro do sujeito, mostrado pelo meio da clarividência do cinema.

Palavras-chave: Sujeito humano–maquínico. Cinema. Configurações sociais.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura midiática e grupos sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Escola crítica de cinema


Título: Imagens da Intolerância na Mídia
Autor(a): Carla Maria Osório de Aguiar
Orientador(a): Malena Contrera Segura
Data da defesa: 29/03/2007
Resumo: Este trabalho se propõe analisar os programas Mistérios e Casos Reais, exibidos, respectivamente, pela TV Record (SP) e sua afiliada na Bahia, TV Itapoan, na grade de programação da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). O objetivo é identificar as estratégias de comunicação utilizadas na apropriação e recontextualização dos elementos culturais das religiões afro-brasileiras pela IURD, através dos programas de televisão.
Na apropriação do universo sagrado das religiões de matriz africana pela programação religiosa da IURD, exibida pela TV Record e afiliadas, ocorre, na configuração da linguagem desses programas, uma transformação dos elementos constituintes da cultura negra em imagens portadora de uma mensagem de intolerância religiosa.
Devido à profusão de trabalhos acadêmicos desenvolvidos sobre o tema, tanto nas ciências sociais quanto na comunicação, foi imprescindível um levantamento bibliográfico atualizado acerca do objeto pesquisado.
Para a análise dos programas da TV Record, que teve como objetivo identificar os elementos da cultura negra apropriados pela Igreja Universal do Reino de Deus e a sua reelaboração em espetáculo televisivo, recorremos aos estudos da comunicação, nos campos específicos da cultura e da mídia.
Após uma análise sistemática dos programas religiosos da TV Record, foram selecionados e gravados, para compor o corpus da pesquisa, os programas Casos Reais e Mistérios, ambos exibidos em canal aberto. Para analisar os programas selecionados fizemos uma decupagem da técnica televisiva (trilha sonora, dramaturgia, técnica de imagens e a narrativa) com o objetivo de entender as estratégias de comunicação utilizadas. A decupagem técnica vem acompanhada de uma identificação e análise dos usos dos elementos simbólicos da cultura negra na propaganda religiosa da IURD.
Como o projeto trata de um tema que está envolvendo a sociedade civil organizada, também foi usada como fonte de pesquisa a Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público Federal e Organizações não-governamentais, pedindo direito de resposta coletivo aos programas religiosos que enfocam de maneira discriminatória os cultos afro-brasileiros exibidos pelas emissoras Record e Rede Mulher. A pesquisa também acompanhou pela imprensa nacional a repercussão sobre o tema, utilizando as matérias como fonte de pesquisa para a discussão.
No primeiro capítulo deste trabalho são apresentados os conceitos que abarcam objeto de pesquisa e o referencial teórico dos estudos da cultura e da mídia que vão fundamentar a análise.É traçado também um breve histórico do movimento neopentecostal com destaque para Igreja Universal do Reino de Deus  e das religiões de matriz africana, no cenário religioso brasileiro.
O segundo capítulo traz a análise dos programas Mistérios e Casos Reais, exibidos pela TV Record, na grade de programação da IURD. Partes representativas da decupagem técnica dos programas, contendo os elementos visuais e as falas dos participantes, foram utilizadas de forma descritiva no corpo do trabalho para o melhor entendimento do nosso objeto de estudo. O objetivo é identificar as estratégias de comunicação utilizadas na apropriação e recontextualização dos elementos culturais das religiões afro-brasileiras na configuração dos programas religiosos da IURD.
No terceiro capítulo fazemos uma discussão sobre intolerância religiosa no contexto legal e a reação da sociedade civil frente ao discurso da IURD contra as religiões de matriz africana.
Para concluir o trabalho, tratamos do jogo cultural que se estabelece nas relações de disputas pelo espaço social, entre a IURD e as religiões de matriz africanas, e o papel dos meios de comunicação, em especial da televisão, nesta questão.

Palavras-chave: Cultura midiática. Religião afro-brasileira. Televisão
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: DVD-Registro de Teatro
Autor(a): Tamara Vivian Katzenstein
Orientador(a): Malena Segura Contrera
Data da defesa: 30/03/2007
Resumo: Este trabalho estuda os sistemas técnicos de produção do DVD Registro de Teatro no contexto das práticas de comunicação de massa.
Seu objeto é a transposição de seis espetáculos teatrais para o audiovisual, em DVD, através de releitura
Trata-se de um estudo exploratório, visando familiarizar-se com o DVD- Registro de Teatro, já que se refere a um gênero pouco conhecido e pouco pesquisado ainda hoje no Brasil. Possui ainda o intuito de esclarecer conceitos, apresentar características e permitir a descoberta de elos entre determinadas variáveis, tais como a mudança do tempo e espaço que acontecem nessa transposição assim como a diferença das ferramentas que um diretor de teatro tem à sua disposição – como a luz, a presença do ator, o espaço tridimensional – contrapondo-se às  ferramentas e efeitos que o diretor do DVD-RT pode lançar mão: a edição, os enquadramentos e os efeitos de computação gráfica.
Outro aspecto considerado importante é o vínculo entre o diretor do DVD-RT e a peça de teatro e se esse vínculo se expressa no seu produto. Além da análise de 6 trabalhos de DVDs autorados e um levantamento da bibliografia de aspectos pertinentes ao tema, realizou-se também entrevistas com quatro dos principais diretores de DVD registro de teatro do Brasil, a saber: Antônio Carlos Rebesco (Pipoca), Paulo Franco, Paulo de Moraes e Tadeu Jungle.
As novas tecnologias propiciam a disseminação de um espetáculo de teatro para outros públicos que não tiveram acesso à apresentação, por estarem em outro tempo/espaço, além de que, a obra de arte reproduzida pela técnica abre para novas concepções de originalidade e novas possibilidades estéticas (BENJAMIN, W., 1994). Quando vamos assistir ao espetáculo num monitor de TV, temos acesso a uma reflexão sobre a realização da peça que vai além da mesma. Podemos ter diversas interpretações, diversos pontos de vista, diversas aproximações. O DVD possibilita outra divulgação do texto teatral encenado , sendo um canto paralelo, uma releitura da peça de teatro.
O primeiro capítulo é uma explanação sobre o universo no qual se situa o DVD-Registro de Teatro que é um produto híbrido entre o teatro e a mídia eletrônica. Este capítulo aborda como o cinema e a televisão partiram dos conceitos e linguagem do teatro até encontrarem sua singularidade.
 O segundo capítulo trata da home-mídia e, no final, tece algumas considerações acerca da transposição de uma mídia para outra: do teatro ao DVD-Registro de Teatro. A transposição é uma das formas de releitura metalinguística, uma questão muito presente na contemporaneidade. O capítulo trata ainda da importância e limites da memória eletrônica, um dos atributos do DVD-Registro.
O terceiro capítulo relaciona o DVD-Registro de Teatro à teoria de Bertolt Brecht de teatro épico, em que ele valoriza o distanciamento crítico. O DVD-Registro pode ser visto como reflexão sobre uma realidade, identificando-se no papel do diretor do DVD-Registro de Teatro o papel de narrador presente na teoria de Brecht.
A pesquisa teve por referencial teórico uma visão de Comunicação pautada num enfoque interdisciplinar, contemplando especificamente alguns autores, tais como Anatol Rosenfeld, Bertolt Brecht, Jesús Martin-Barbero, Norval Baitello Jr., Walter Benjamin e V. Flusser.
Ao final, percebe-se que o DVD-Registro de Teatro, esse produto midiático de alcance público, é articulador de uma nova prática de comunicação entre o teatro e a sociedade em geral.

Palavras-chave: DVD-Registro de Teatro. Mídia de Massas. Home mídia. 
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de linguagens e produtos audiovisuais na cultura midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia e cultura


Título: Programa Show da Fé: um retrato da construção midiática da mídia religiosa evangélica
Autor(a): Heinrich Araujo Fonteles
Orientador(a): Malena Segura Contrera
Data da defesa: 13/04/2007
Resumo: O trabalho tem por objetivo entender algumas razões que levam a religião a estar presente na mídia televisiva e compreender como se dá a configuração de um programa na TV. Objetivando compreender a estratégia televisiva , foram trabalhadas as idéias de Edgar Morin, cujo processo de vulgarização das imagens nos ajuda a entender algumas questões pertinentes às imagens e como, a partir da configuração das mesmas, intauram-se novos sentidos e significados. Tais sentidos nos levam a entender as razões que permitem à  religião transportar-se para o universo da mídia. Ao se dirigir neste novo locus social, a mídia procura, através da construção de uma realidade, religar o sujeito a esta nova situação, permeada pelo universo da religiosidade. Neste sentido, a pesquisa está balizada nos conceitos de Vilém Flusser.

Palavras-chave: Mídia.  Mito. Religião. Fé.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia e Cultura 


Título: Tatuagem de Papel - O Outdoor e suas relações com a esfera publica e privada
Autor(a): Maria Isabel Galvão de França
Orientador(a): Antonio Adami
Data da defesa: 17/04/2007
Resumo: O presente trabalho é um estudo do meio outdoor e, para tanto, procura articular dois eixos de reflexão inseridos na cultura midiática. O primeiro, de caráter historiográfico, revela os principais momentos dessa mídia exterior no Brasil, desde seu surgimento em 1929, e, ao mesmo tempo, destaca os esforços de profissionais para estabelecer o formato dos cartazes e aprimorar as técnicas de reprodução, até a criação, na segunda metade da década de 70, da Central de Outdoor - a entidade que agrega as empresas do setor.
Com relação ao eixo, procura-se, também, traçar um breve cenário da megalópole, como é o caso de São Paulo, partindo de algumas premissas sobre modernidade e pós-modernidade.
O segundo eixo é de natureza analítica, mas que, visivelmente, beneficia-se dos resultados colhidos pelo desenvolvimento do primeiro. Assim, justifica-se a inserção de um tópico sobre “planejamento estratégico de mídia” e outro sobre a “função do cartaz”, que junta, o último, à informação histórica, o esforço analítico-interpretativo sobre alguns outdoors;  tópico de mesma feição é o de “criação” (de outdoors), o qual não se limita à pura prescrição, de cunho didático, sobre os princípios da boa-forma do texto, mas vai além, propondo algumas reflexões sobre o desempenho de redatores e diretores de arte. A articulação entre a “percepção” dos cartazes no espaço urbano -- no centro e no entorno do qual explode a violência da poluição visual -- ocupa lugar de considerável importância neste trabalho, pois é nesse cenário em que o outdoor equilibra-se no gume da lâmina: sua visualização é prejudicada pela entropia circundante, mas, ao mesmo tempo, é ele mesmo mais um fator da desorganização visual que toma conta da cidade.
Finalmente, desenvolve-se uma reflexão sobre a esfera pública e privada, desde os primórdios, e suas relações com um elemento — o outdoor — cujo lugar no espaço urbano de São Paulo é sustentado há décadas por interesses privados nem sempre atentos a certas exigências do público.
A pesquisa exploratória, como recurso metodológico e estudo preliminar, tem por objetivo conhecer a variável de estudo e sua apresentação, entender seu significado e seu contexto de inserção. Portanto, pretende-se que seja compreendida a realidade da mídia exterior tal como ela é: seu dia-a-dia, as relações com outras mídias, etc.; por esta razão, diferentemente das concepções tradicionais em que a pesquisa exploratória — que aqui será utilizada como pesquisa principal — tem por finalidade o refinamento de dados, o desenvolvimento, a comprovação ou não das hipóteses, ela é aqui utilizada para corrigir nosso olhar sobre a percepção do outdoor na cidade de São Paulo: sua relação com a modernidade, sua voz calada, sua real intervenção no cotidiano local, sua incorporação arquitetônica e comunicacional. Este foi o objeto de estudo desta pesquisa, em função do qual fez-se um levantamento do quadro histórico, técnico e comparativo entre o outdoor e as outras mídias externas, a interpretação de outdoors contemporâneos a partir de fotos realizadas nas ruas de São Paulo, e a reprodução e análise de antigos outdoors a partir de fonte especializada.

Palavras-chave: Outdoor. Cultura Midiática. Percepção.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Comunicação, Cultura e Memória


Título: Electronic Disturbance Theater (EDT): participação política no ciberespaço.
Autor(a): Maria Lourdes Balbinot De Lamônica Freire
Orientador(a): Eunice Vaz Yoshiura
Data da defesa: 20/04/2007
Resumo: Partindo  do  reconhecimento  do  déficit democrático contemporâneo (GOMES, 2005), particularmente no tocante à escassez da participação popular nas decisões políticas, e entendendo que o ciberativismo é um esforço de sociabilidade, que tanto pode ser cidadã como controladora, isto é, a serviço de interesses hegemônicos, este trabalho aborda as características do ciberativismo como forma de comunicação político-cultural em rede. Procede-se à investigação de um caso concreto – o do Electronic Disturbance Theater - EDT, com a intenção de caracterizar a sua ação e sua força constitutiva de empoderamento, na busca de transformação da estrutura social. Nesse sentido, enfatiza-se a dinâmica política emergente na rede, a partir da interconectividade entre movimentos sociais e micro-ações colaborativas de indivíduos ou pequenos grupos alinhados à causa maior, subjacente aos modos de ação política vinculada à luta pela liberdade e pelos direitos fundamentais do homem. Para contemplar a discussão da relação comunicação e política a que a abordagem do ciberativismo compele, fez-se um esforço de compreensão da conexão entre comunicação em rede, cibercultura e participação política, bem como uma reflexão crítica a respeito de atores e protagonismos em ciberativismo. Dessa forma, o ciberativismo foi abordado sob a ótica da relação comunicação/cultura/política que as suas práticas estabelecem, sendo a ação do grupo Electronic Disturbance Theater na rede, vista como forma de participação política, alinhada a movimentos sociais sob o enfoque teórico da comunicação e política. A pesquisa realizada teve como objetivo geral compreender e analisar a forma como agem na Internet grupos ciberativistas e de “desobediência civil eletrônica”, sob o enfoque da dimensão comunicativa, cultural e política, a partir do estudo das ações do EDT. Os objetivos específicos são: (a) investigar, analisar e interpretar a construção da identidade do grupo, a partir de suas práticas e da sociabilidade que seu ativismo propõe, e (b) identificar e descrever quem são seus atores, como organizam os protestos eletrônicos, de que forma se irradiam pela rede, repertoriando e analisando as atividades que desenvolvem sob o ponto de vista de suas implicações políticas. O foco da questão inscreve este estudo na esfera problemática da relação  comunicação-cultura-e-política; a abordagem teórico-metodológica, no esforço de aproximação com o campo da cibercultura, inscreve o estudo  numa interlocução com autores que se dedicam à abordagem crítico-reflexiva da sociedade em rede e da cibercultura, como Santaella, Lévy, Lemos e, principalmente, Castells. Santaella (2003) permite a compreensão da relação entre mídia, pensamento e sensibilidade humanos, e a percepção de como estes incitam a emergência de novos ambientes culturais. Com Lévy (1999), configura-se como o movimento geral da virtualização não afeta apenas a informação e a comunicação, mas também os corpos, o funcionamento econômico, os quadros coletivos da sensibilidade e o próprio exercício da inteligência. A partir de Lemos (2002;2003) delineiam-se as características da cibercultura na relação entre técnica e vida social. Com sua análise da era da informação, sob a ótica de suas implicações sociais e culturais, Castells (1999) possibilita categorizar o EDT como um grupo com identidade de projeto. Na discussão política -  para conceituar ação social, socialização, sociedade civil, participação, cidadania e movimentos sociais -, Bobbio, Webber e Scherer-Warren constituem a base teórica. Os procedimentos metodológicos adotados inscrevem-se no domínio da pesquisa qualitativa. Na coleta e descrição dos dados utiliza-se a etnografia virtual, constituindo como “trabalho de campo” o acesso sistemático ao sítio do EDT, durante 6 meses, numa observação/interação participante; fazendo levantamento e classificação das práticas; registro dos movimentos em conexão; visita e descrição dos principais links; observação de modos de sociabilidade. O relato da pesquisa se faz em três partes. Num primeiro momento busca-se construir pontes entre a comunicação em rede e a cibercultura que nela e com ela se configura. Num segundo momento, partindo do enfoque dos movimentos sociais em rede, aborda-se o ciberativismo como fenômeno da cibercultura que dá visibilidade a novos atores e a novas formas de participação política na Internet. No terceiro momento estuda-se o grupo e seu sítio na Internet como promotores de ações que possibilitam a atuação de novos atores na rede. Conclui-se que o EDT, com suas práticas, mostra didaticamente que os meios e modos de comunicação eletrônica podem se tornar ferramentas eficazes para a constituição da democracia, pois, o ciberativismo articulado a projetos político-culturais, apresenta-se como um caminho para a diminuição do déficit democrático.

Palavras-chave: Ciberativismo. Cibercultura. Política. Rede. Comunicação.
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Cultura midiática e grupos sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Criatividade e cidadania: uso da mídia e grupos sociais


Título: Os informívoros do Webjornalismo Esportivo
Autor(a): Marco Antonio Bonito
Orientador(a): Juan Guillermo Droguett
Data da defesa: 04/05/2007
Resumo: Esta dissertação tem como objetivo compreender a evolução orgânica humana, do biológico ao biocibernético, com o intuito de caracterizar um novo grupo social emergente, a partir da influência das mídias digitais ante a Era da Informação: o grupo dos informívoros.
Os seres informívoros, ávidos consumidores de informação, transcendem dos onívoros que ― agora num novo contexto, o da Era da Informação ― sofrem adaptações em seus corpos que vão desde o biológico, o psicológico até o biocibernético. Os informívoros encontram seus nutrientes no ciberespaço, o habitat mais propício para seu desenvolvimento, e estas substâncias informativas são inerentes aos novos tempos de iconofagia.
A problematização dessa dissertação consiste em demonstrar de que forma a estética dos websites jornalísticos esportivos nutre estes seres informívoros que dependem da informação para a sua sobrevivência orgânica. A pesquisa busca descobrir não só a maneira pela qual estas informações são consumidas, mas, também, como estas informações podem beneficiar os informívoros, no contexto da pós-modernidade.
A cultura das mídias influencia o surgimento destes seres e a evolução das tecnologias da informação, principalmente ao longo do século XX, mudou completamente as relações sociais. Dentre as culturas de massa do século XX, temos os grandes eventos esportivos mundiais como fomentadores do avanço científico no campo comunicacional e por isso elegeu-se a trajetória das Copas do Mundo de Futebol para demonstrar como se deu esta transmutação das mídias até a convergência hipermidiática da Internet.
A hipótese deste trabalho é a de que a estética do webjornalismo esportivo possa ser representante de um universo cibercultural de produção de efeitos e sentidos, que perpassa pelo âmbito comunicativo, para que, assim, seja possível definir os informívoros e seus modos de consumo, a partir da produção jornalística digital.
Para tanto, as principais características do jornalismo digital foram analisadas ante a publicação de alguns dos principais sites durante a Copa do Mundo de Futebol da Alemanha, em 2006. Perante a variedade de informações e técnicas aplicadas aos sites, observou-se que este torneio foi  um “banquete” servido aos seres informívoros.
A metodologia utilizada nesta dissertação fundamenta-se em pesquisas bibliográficas e em análises, sob juízo de senso crítico, da estética do webjornalismo, considerando as principais características dos modelos de produção do Jornalismo Digital, tais como: Multimidialidade; Interatividade; Hipertextualidade; Personalização; Memória; Instantaneidade e Mobilidade. Além disso, os sites analisados foram classificados em função do seu estágio evolutivo na web, podendo ser de: 1ª Geração ou transpositivo; 2ª Geração ou perceptivo; 3ª Geração ou hipermidiático.
Para o conceito proposto, o de informívoros, utilizamos, como principais referenciais teóricos, quanto à contextualização do ser humano na sociedade da informação, os textos de Os meios de comunicação como extensões do homem (MCLUHAN, 2002), para nos referirmos ao caráter extensivo da capacidade corporal perceptiva; e também os de A sociedade em rede (CASTELLS, 1999), para entendermos como o corpo social é movido por um conjunto de tecnologias que agem sobre a informação. Além destes, foram utilizados conceitos do livro A vida digital (NEGROPONTE, 1995), que serviram para conferir o registro do início da sociedade globalizada e definir uma “radiografia” do mundo multimídiático digital.
A cibercultura é um conceito tratado, na pesquisa,  conforme os pressupostos de Pierre Levy e Lucia Santaella, nas aproximações conceituais que estes fizeram do ciberespaço. Além disso,  quanto ao parâmetro do corpo na comunicação, foram utilizadas as obras de Lucia Santaella: Culturas e artes do pós-humano (2003), Navegar no ciberespaço (2004) e Corpo e comunicação (2004). Por fim, com base nos conceitos de Modelos de Produção do Jornalismo Digital, de Elias Machado e Marcos Palácios, foram analisadas as técnicas da construção em jornalismo mais usadas pelos meios de comunicação digitais, na atualidade.
Esta dissertação, portanto,  visa compreender a cultura dos pós-humanos biocibernéticos no contexto da revolução digital que transformou não apenas os seres organicamente, mas, inclusive, os padrões de comportamento social, através  das mídias.

Palavras-chave: Informívoros. Cibercultura. Evolução Tecnológica. Cultura midiática. Webjornalismo esportivo. Copa do mundo de Futebol.
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Cultura midiática e grupos sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: Revista A Violeta: um estudo de mídia impressa e gênero
Autor(a): Otávio Bandeira De Lamônica Freire
Orientador(a): Carla Reis Longhi
Data da defesa: 04/05/2007
Resumo: Este trabalho traz a análise da revista A Violeta – publicação do Grêmio Júlia Lopes que circulou em Mato Grosso, entre os anos 1916 e 1950 – com o intuito de trazer à tona a relevância do papel das redatoras e editoras da revista no processo de emancipação da figura feminina, dentro da sociedade tradicional local. Buscando confirmar a relevância do estudo, foram fixados objetivos, como forma de balizamento do caminho a ser percorrido, priorizando a forma como a Revista A Violeta se coloca como veículo de comunicação feminina, tendo como fundo contrastivo o enfoque da dimensão comunicativa e cultural da questão de gênero e, como foco, a emergência do projeto moderno e seus ecos marginais. Mais especificamente, esta pesquisa procura observar e comentar em que medida o discurso da revista engendra um olhar feminino; entender o modo de apreensão da sociedade e, mais especificamente, da imprensa; compreender como se configura o discurso da revista sobre as questões da modernidade e de progresso, durante seus dois primeiros anos de circulação. A abordagem do problema e a consecução dos objetivos do projeto estão diretamente ligadas ao caminho percorrido e ao procedimento interpretativo: neste caso, um procedimento de pesquisa qualitativa. A caracterização do objeto, enquanto revista e enquanto mídia impressa ,necessitou de cuidadosa pesquisa documental para obtenção de dados relativos à estrutura e organização, circunstâncias de sua criação, processo de implantação, espaço físico, quadro de pessoal, competências etc. Em seguida, abordou-se o seu fazer, através de levantamentos dos processos de produção de conteúdos de forma geral, classificação dos assuntos e seções. Os procedimentos metodológicos adotados inscrevem-se no domínio dos Estudos Culturais que preconizam uma abertura em favor da combinação de diferentes estratégias que possibilitem melhor apreensão da multidimensionalidade do objeto. O esquema conceitual, que deu suporte à descrição e análise da revista A Violeta, correlacionou as concepções de Comunicação, Mídia Impressa, Cultura, Gênero e Modernidade. Foi de extrema importância a contribuição teórica de autores identificados com os Estudos Culturais, entre os quais Martin-Barbero, que trata a recepção como um lugar novo no âmbito das pesquisas acerca do processo de comunicação. Outra questão que surgiu, à luz do estudo dos meios e mediações, foi o fato da sociedade brasileira não ter necessariamente um centro único; portanto, as ações hegemônicas não partiam de um único grupo social. Para isso, valemo-nos dos escritos de Gramsci acerca da hegemonia. Ao modo dos Estudos Culturais, ao construir uma metanarrativa de inclusão, de luta feminina, buscou-se a desconstrução de certas metanarrativas de exclusão, dentre as quais, algumas delas comunicadas através da própria imprensa local, no que tange à relação mulher-trabalho, dentre outras. A modernidade também foi tema de grande relevância para o presente estudo, analisada a partir das proposições de Hobsbawm e Sevcenko que deram suporte à análise espiral das questões culturais envoltas nos processos de modernidade e modernização. Esta dissertação está organizada em quatro capítulos. No primeiro, apresenta-se a orientação teórico-metodológica utilizada na abordagem da revista. No segundo, trata-se mais diretamente do corpus, focalizando a revista, descrevendo sua materialidade. No terceiro capítulo, em conformidade com a orientação teórico-metodológica dos Estudos Culturais, apontam-se os elementos significantes do contexto da revista, com ênfase nas relações de gênero. Já no quarto capítulo, examina-se alguns aspectos do discurso feminino que A Violeta veiculou, bem como algumas aproximações e distanciamentos entre o nacional e o local, tirando implicações sobre gênero, modernidade e modernização.

Palavras-chave: Mídia impressa. Gênero. Revista feminina. Comunicação.
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Cultura midiática e Grupos sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: O diabólico Zé do Caixão
Autor(a): Celso dos Santos Viviani
Orientador(a): Geraldo Carlos do Nascimento
Data da defesa: 09/05/2007
Resumo: O presente trabalho  traça relações entre o personagem Zé do Caixão, criado por José Mojica Marins, e a figura do Diabo, desenvolvida através da história da cultura ocidental, a partir da Idade Média. A dissertação também aborda as estruturas narrativas do gênero terror que foram utilizadas por Mojica nos filmes À meia noite levarei sua alma e Esta noite encarnarei no teu cadáver. A decupagem destes filmes possibilitou o estabelecimento do vínculo dos temas abordados na diegese fílmica com a tradição atribuída à figura do Diabo

Palavras-chave: Cinema. Terror. Diabo. 
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de linguagens e produtos audiovisuais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Natureza (In) Comunicativa dos Megaeventos Musicais Contemporâneos
Autor(a): Marcela Roberta Moro Abdo
Orientador(a): Malena Segura Contrera
Data da defesa: 15/05/2007
Resumo: Dentre os fenômenos comunicativos que refletem as transformações, mudanças e alterações que o homem sofreu ao longo dos tempos, os eventos são consideravelmente significativos.
A presente pesquisa reflete sobre o processo de espetacularização que caracteriza o evento moderno, onde a transformação do participante em espectador, a absorção massiva de suportes midiáticos em seu formato e a amplificação do número de participantes colocam-se como características ou até mesmo como a própria natureza destes produtos culturais. Tais características contribuíram para que os eventos, aos poucos, se transformassem em megaeventos. Os megaeventos movimentam periodicamente milhares de pessoas que participam, estão presentes e vivenciam e experiência do evento.
Analisar a complexidade comunicativa - ou incomunicativa - presente nestes espaços constitui o objetivo principal desta dissertação, cuja estruturação baseou-se em compreender a essência e as características destes eventos, as relações espaço-temporais concernentes aos mesmos, a rememoração dos antigos rituais arcaicos que carregam em si, bem como o processo que inseriu o ‘mega’ nestes produtos da cultura contemporânea, processo esse no qual a mídia eletrônica desempenha um papel fundamental.
Além disso, a estrutura desta dissertação envolveu também uma análise das formas de sociabilidade e vinculação comunicativa presentes nestes espaços, uma vez que estas refletem também as formas de sociabilidade que hoje caracterizam nossa sociedade.
Para tanto, a pesquisa teve como objeto os megaeventos musicais contemporâneos e, mais especificamente, uma análise do Skol Beats 2006 do Brasil, megaevento de música eletrônica que está em sua 6ª. edição.
A natureza destes megaeventos, seus excessos e seu formato privilegiam a irmã gêmea da comunicação, a incomunicação. Os megaeventos consolidam vínculos vazios, comunidades líquidas e o afastamento do humano, por meio da impossibilidade da construção de relações, elementos que caracterizam estes espaços e os confronta paradoxalmente à condição humana mais básica, gregária e comunicante.

Palavras-chave: Comunicação. Megaeventos. Incomunicação.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia e Cultura 


Título: A Radio Nacional e a Produção de Radioteatro
Autor(a): Jorge Marcos Henriques Fernandes
Orientador(a): Antonio Adami
Data da defesa: 23/05/2007
Resumo: O propósito desta Dissertação é estudar a Rádio Nacional como pioneira na produção do radioteatro brasileiro.
O capítulo I analisa a origem e o desenvolvimento do rádio no Brasil, sob aspectos históricos. Parte da premissa de que os caminhos do rádio se inter-relacionam com os caminhos político-econômicos e sócio-culturais do Brasil.  Baseando-se na obra La radio por dentro y por fuera, de Jimmy Garcia Camargo, o autor enfatiza  a descoberta da eletricidade como fator que proporcionou a invenção do aparelho capaz de transmitir sinais através de ondas eletromagnéticas, dispensando a  conexão por meio de fios. As invenções do telégrafo e do telefone constituem a base da radiodifusão. Esses equipamentos permitiam a transmissão de sinais, com o uso de fios. Os militares foram os pioneiros a utilizarem a telerradiodifusão pelo fato de ser um instrumento que facilitava a comunicação entre os navios de uma frota.  A paternidade do invento do rádio foi atribuída  a Guilherme Marconi, graças aos interesses e apoio da Inglaterra. Porém, no Brasil, o padre Landell de Moura,  que  inventou equipamentos para a radiodifusão sonora, começa ser apontado como o precursor de Marconi. Contudo, não obteve apoio do governo brasileiro, apesar de ter suas invenções patenteadas nos Estados Unidos, como acentua Antonio Costella. A radiodifusão é implantada no Brasil, após a Primeira Guerra Mundial, em 1922. Nesse ano festejava-se o Centenário da  Independência. Duas importantes indústrias de produtos eletrônicos, a Westinghouse  e a General Electric, colaboraram nas instalações da primeira emissora brasileira que foi denominada mais tarde de Rádio Sociedade do Rio de Janeiro, por iniciativa de Roquette Pinto e Henrique Moritze. Após destacar os fatos que marcaram o início da radiodifusão brasileira, incluindo as fases em que surgem as primeiras modificações da programação, ainda no Capítulo I,  enfatiza-se que o rádio tem uma importância fundamental, graças ao seu alcance geográfico e a função de  informar, formar, orientar, educar e entreter o seu público-alvo.
O capítulo II enfatiza o radiodrama como veia artística da radiodifusão sonora. Sinaliza que existem poucos autores que tratam do gênero. No Brasil, Antonio Adami escreveu sobre o tema em livros e revistas. Para a redação deste texto, recorreu-se a Fernando Curado Ribeiro (de Portugal) e à coletânea organizada por George Bernard Sperber (da Alemanha). A produção do radiodrama tem sua origem quase concomitante ao surgimento do próprio rádio. As primeiras peças surgiram na Europa, a partir de 1924, como assinala Fernando Curado Ribeiro. Para esse autor, a primeira peça que marca definitivamente foi francesa e era denominada de Maremoto, datada de maio de 1924. O texto do radiodrama possui peculiaridades em relação aos demais gêneros radiofônicos. Ribeiro indica uma estrutura para sua produção. Esse autor classifica as etapas de uma produção radiofônica, identifica os códigos da linguagem radiofônica aplicados ao radiodrama. De falar de “imagens sonoras”, o autor ensina que “ruídos e trucagens” fazem parte da arte da dramaturgia no rádio. Os “elementos da peça radiofônica” são apresentados por Wemer Klippert, na coletânea de Sperber, destaca a função do microfone e da fita magnética na edição de peças. Tratava-se de uma tecnologia que colocava no ostracismo a apresentação ao vivo, como acontecia nos primeiros tempos do rádio. Depois de focalizar o rádio como instrumento de difusão da cultura popular, este capítulo traça um perfil da “Era Vargas”, em que  o controle do Estado se fazia presente em toda programação nacional, com o objetivo de manipular a opinião pública para a manutenção do status quo do sistema vigente no Brasil.
 No capítulo III, aborda-se a Radio Nacional como fenômeno de vanguarda em se tratando da radiodifusão sonora no Rio de Janeiro e no Brasil. Analisa as fases pelas quais a emissora passou desde sua fundação, em 1936. Enfatiza seu papel no desenvolvimento da programação popular, principalmente na difusão de gêneros de produção de radioteatro. A Rádio Nacional deixou uma marca na história da radiodifusão sonora, mormente em se tratando de produções de radionovelas, antes do advento da Televisão, em 1950. A nova mídia fez com que o rádio buscasse novas alternativas de linguagens. A isso se deve o surgimento das emissoras de Frequência Modulada (FM). As programações iniciais constavam mais de músicas dirigidas aos jovens. As emissoras em AM, conhecidas como Onda Média, diante da Televisão, também  se adequaram à nova dimensão da cultura midiática no Brasil. Ressalte-se que a Rádio Nacional destacou-se, sobretudo, pela produção do radioteatro. Sua capacidade administrativa descobriu que o radioteatro  trazia para a emissora uma grande audiência. O  radioteatro começou na Rádio Nacional três meses após a sua inauguração, com a transmissão de diálogos humorísticos ou não, intercalando números musicais. Isso foi em dezembro de 1936. Mas só em agosto de 1937 é que estreou o Teatro em Casa, com a irradiação de peças completas. A novela em capítulos teve início dia 5 de junho de 1941, às 10 e meia da manhã, com  produção de Em busca da felicidade. Às 20 horas da noite de 8 de janeiro de 1951 entrava no ar, pela pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro, o primeiro capítulo de O direito de nascer, do cubano Félix Caignet. A mais famosa novela da história do rádio brasileiro ficou em cartaz até setembro de 1952, perfazendo um total de 260 capítulos. No ano seguinte, a Nacional inaugurava um novo estúdio de radioteatro, com recursos tais que foi considerado na época o melhor do mundo. Sob o patrocínio de Melhoral e do Leite de Magnésia de Philips, também em 1953 estreou a série Jerônimo, o herói do sertão, de Moysés Weltman, que ficaria no ar até 1967. Portanto, essa produção de radioteatro ficou no ar durante 14 anos. Foi retransmitida em centenas de emissoras em todo o território nacional.  Durante toda a a década de 1950, as dramatizações eram componentes-chaves da programação das principais emissoras do país Do cast da Rádio Nacional faziam parte os artistas mais famosos, campeoníssimos dos concursos de "Melhores do Rádio", realizados periodicamente pelas revistas especializadas, como a Revista do Rádio e a Radiolândia. Até meados da década de 1950, o Radioteatro Nacional produziu e foram irradiadas 861 novelas, as mais ouvidas do rádio brasileiro, segundo as mais seguras pesquisas de audiência.

Palavras-chave: Comunicação. Rádio Nacional. Produção. Radioteatro. Audiência. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Comunicação, Cultura e Memória


Título: Um Só Coração. A Recriação Ficcional de Yolanda Penteado
Autor(a): Hilario Nino Dastre
Orientador(a): Anna Maria Balogh
Data da defesa: 31/05/2007
Resumo: A minissérie Um Só Coração foi ao ar em 2004 como parte dos eventos da Rede Globo para comemorar os 450 anos de fundação da cidade de São Paulo. Os autores Maria Adelaide Amaral e Alcides Nogueira compuseram um amplo painel sobre a construção da identidade cultural da cidade no percurso do século XX, sob a ótica de uma de suas maiores incentivadoras: Yolanda Penteado.
Os eventos mais marcantes da evolução da vida urbana, social, política e cultural da cidade foram inseridos na trama: desde a Semana de Arte Moderna de 1922, as revoluções de 1924 e 1932, chegando à década de 40, no período do pós-guerra, com a criação do Museu de Arte Moderna - MAM e do Museu de Arte de São Paulo - MASP, do Teatro Brasileiro de Comédia - TBC e da Companhia de Cinema Vera Cruz, até a inauguração da televisão em 1950 e a criação da Bienal Internacional de São Paulo, em 1951. E revela a importante contribuição de Yolanda Penteado para a construção de uma agenda cultural permanente para a cidade de São Paulo.
A minissérie acompanha a trajetória de Yolanda Penteado e de muitos personagens, reais ou ficcionais, com os quais ela interage ao longo de quatro décadas. O que esta pesquisa se propõe a descobrir é como se deu a transposição da biografia para o formato de minissérie de televisão, como foi o processo de inserção de personagens e eventos ficcionais em uma produção que se pretende biográfica, as referências históricas e culturais da época usadas na tessitura ficcional e, por fim, quais foram os recursos de folhetim e os elementos simbólicos inseridos na composição da obra.

Palavras-chave: Televisão. Minissérie. Ficção. Personagem. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Morte e os Elementos de Construção de Figuras Míticas do Imaginário Midiático
Autor(a): Andréia Perroni Escudero
Orientador(a): Malena Segura Contrera
Data da defesa: 05/06/2007
Resumo: Essa pesquisa trata do papel da morte (ainda em juventude) na formação da mitificação dos ídolos da mídia, atendo-se ao estudo do caso “James Dean”. Como base para esta análise, foi necessário trazer os elementos que contribuem na formação destas figuras midiáticas, bem como os interesses da indústria cultural que objetivam, através destas construções, aquecer seus mercados, gerando necessidades ideológicas e por bens de consumo. Por causa da complexidade e singularidades que caracterizam esse processo investigatório, buscou-se realizar uma análise bibliográfica que contribuísse para a elucidação do processo de formação de um mito da mídia (Capítulo I), relacionando esse processo à compreensão de como a morte interfere e impulsiona tal mitificação (Capítulo II). O caso “James Dean” foi considerado representativo e relevante dado a perpetuação de sua imagem por um período significante (51 anos). Através dele pôde-se desenvolver uma trajetória abrangente de sua mitificação que reuniu elementos do imaginário cultural que projetaram o mito; contexto social e político que o impulsionou; características pessoais que criaram uma relação de empatia entre o público e o ator, despertando o interesse dos meios de comunicação num período em que a divulgação da contracultura e de uma nova postura juvenil era vantajosa à mídia. Mas contou, principalmente, com o fascínio que esse tipo de morte - trágica e em idade jovem - gera sobre as pessoas, traduzindo-se em campo fértil para que todos os elementos acima tivessem forças redobradas neste processo. Para investigar as práticas de construção midiática da figura “James Dean” e de sua perpetuação, foram analisados dois documentários: Eternamente James Dean (1988) e The Real James Dean (2005), como uma forma de detectar as bases sobre as quais o mito foi consolidado e os argumentos utilizados para tratar da morte trágica e precoce, bem como o discurso midiático de cristalização de juventude (Capítulo III). Para compreender a influência do ator perante o público juvenil e os conceitos desencadeados após se tornar um ícone da juventude dos anos 50, transformando-se em sinônimo de rebeldia, foi colocado em análise o filme Juventude Transviada (1955). Fez-se necessária, também, uma abordagem específica sobre a pretensa rebeldia do ator, com o objetivo de avaliar as estratégias utilizadas pela mídia para sua criação (Capítulo III).
Uma das bases teóricas que norteiam a análise do tema é a Teoria da Complexidade proposta por Edgard Morin, principalmente nas reflexões do autor aplicadas à mídia, à morte e às estrelas de Cinema. Autores como J. Baudrillard, J. Campbell, M. Contrera, R. Girard, M. Eliade, H. Pross, N. Baitello Jr., entre outros, constantes da bibliografia final, também forneceram os pressupostos teóricos necessários para o desenvolvimento deste estudo.

Palavras-chave: Mito. Mídia. James Dean.
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de linguagens e produtos audiovisuais na cultura midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia e cultura


Título: Cinema e a Evolução Tecnológica
Autor(a): Wilson Bonifácio Jr
Orientador(a): Geraldo Carlos do Nascimento
Data da defesa: 21/06/2007
Resumo: A dissertação de mestrado Cinema e a Evolução Tecnológica  surgiu do interesse pelo tema da fotografia cinematográfica, e a sua evolução através dos anos, e de que maneira esta altera a concepção dos filmes na indústria do cinema norte-americano. A importância da pesquisa está em elucidar alguns procedimentos fotográficos utilizados pela indústria cinematográfica, assunto que encontra  escasso material acadêmico no Brasil. A proposta central é uma compreensão técnica de duas  tecnologias utilizadas na história da cinematografia, e seus impactos na formação de diferentes períodos cinematográficos. O primeiro capítulo estuda tecnicamente o Technicolor. Utilizado a partir da década de vinte, o Technicolor foi o primeiro processo de captação de imagens cinematográficas coloridas que obteve êxito comercial, perdurando por três décadas. Para verificação das mudanças surgidas com o Technicolor, e das  influências e implicações nos filmes da época, é analisado O Mágico de Oz, filme produzido em 1939. O segundo capítulo foca um procedimento novo, ainda em fase de implantação e consolidação: a captação digital para substituição da película cinematográfica 35mm.  Como exemplo de tal tecnologia, procedeu-se a análise do filme Colateral, produzido 2004, que utiliza, para captação de imagens, uma câmera digital como substituta da película cinematográfica. Vinculado à área de concentração “Comunicação e Cultura Midiática”, e à linha de pesquisa “Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais”, a dissertação de mestrado Cinema e a Evolução Tecnológica aborda a fotografia e a tecnologia na captação de imagens cinematográficas na indústria do cinema norte-americano, como fator determinante na criação de diferentes estilos e linguagens do produto audiovisual fílmico.

Palavras-chave: Technicolor. Cinema Digital. Fotografia Cinematográfica.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Gestualidade na Construção do Estereótipo do Personagem Homossexual no Cinema
Autor(a): Edivaldo Reis de Souza
Orientador(a): Geraldo Carlos do Nascimento
Data da defesa: 22/06/2007
Resumo: Este trabalho tem como tema A gestualidade na construção do estereótipo do personagem homossexual no cinema e visa a estudar a construção do personagem homossexual no cinema contemporâneo. Tem como pressuposto básico que diversos fatores contribuem para isso, mas pretende destacar, como traço fundamental dessa construção, a linguagem gestual.
Seu objetivo específico consiste em desvendar, via a análise de dois textos fílmicos: Será que ele é? e Minha vida em cor de rosa, até que ponto os processos mobilizados por essa linguagem podem traduzir estereótipos já arraigados na sociedade ou na criação de novos tipos de estereótipos. A importância e complexidade social deste projeto de pesquisa, em torno de convicções preconcebidas com relação aos homossexuais, estão não só em mostrar a influência direta ou indireta exercida pela mídia audiovisual sobre os homossexuais, como, num sentido mais amplo, verificar como são construídas e reconhecidas pessoas desse grupo da sociedade brasileira. E como essa exposição estereotipada contribui na percepção, por parte da sociedade, da conduta e da forma de vida dos homossexuais. Trata-se de aspectos relacionados à linguagem, à cultura e aos costumes.
O interesse deste trabalho em tal pesquisa surgiu em decorrência do excesso de exposição da questão homossexual na mídia. No início, a intenção era a de investigar um corpus configurado nos programas de televisão, mas, posteriormente, ao iniciarem-se os estudos, o cinema se impôs dentre as demais mídias audiovisuais. O que se pretende estudar, nos referidos filmes, são as modulações midiáticas.
A pesquisa entende que, ao desenvolver sua forma de criar laços sociais, a mídia funciona como um agente aglutinador de informações e formador de conceitos. Há décadas, a mídia vem discutindo e apresentando para a sociedade diversas questões ligadas à homossexualidade, seja através de filmes, noticiário, debates, novelas ou através de programas de auditório. Vê-se frequentemente cenas que expõem não só os homossexuais ao ridículo, mas também deturpam sua imagem.
A metodologia utilizada no processo de pesquisa foi qualitativa. Apresenta-se, no trabalho, uma breve definição de gestualidade e suas formulações e o que se entende por estereótipo. Para uma melhor compreensão do processo aplicado, o estereótipo foi classificado em três formas: estereótipo cultural ou social, estereótipo humorístico e estereótipo pejorativo; o mesmo procedimento foi adotado para o estudo do gestual, dividindo-o da seguinte forma: gesto formal ou disciplinador, gesto informal ou cultural e gesto técnico. A partir da referida metodologia, pôde-se, então, através da análise da gestualidade, chegar à identificação de alguns tipos de estereótipos, os quais, por sua vez, correspondem a uma gradação preconceituosa.

Palavras-chave: Homossexualismo. Mídia. Estereótipo. Gesto. Preconceito. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: Do front para as manchetes: a trajetória de uma líder sem-terra na Folha de S. Paulo
Autor(a): Ana Paula Saab de Brito Martins
Orientador(a): Barbara Heller
Data da defesa: 10/08/2007
Resumo: O presente trabalho destina-se a investigar os discursos construídos pela Folha de S. Paulo sobre a mulher militante do Movimento Sem Terra (MST), a partir das prisões de Diolinda Alves de Souza, no Pontal do Paranapanema (SP), nos anos de 1995 e 1996. Analisamos uma série de 74 textos, entre notícias e reportagens, artigos de opinião, perfis e editoriais publicados entre 31 de outubro de 1995 e dezembro de 1996, nos quais o jornal constrói imagens da militante sem-terra. As imagens de Diolinda foram sendo construídas ao longo das 74 matérias, que ora tentaram satanizá-la como terrorista que se formou em Cuba, ora tentaram sacralizá-la, colocando-a ao lado de Nossa Senhora e outros enunciados fortemente ligados ao Cristianismo. Partiremos do entendimento de que o discurso jornalístico, aparentemente tido como imparcial, incorpora ideologias de determinados grupos sociais, produzindo certos efeitos no leitor. Os efeitos de objetividade e de verdade são os mais comuns. Há a intenção de reforçar determinados valores e padrões sociais por meio dos discursos.
Para refazer essa trajetória e elucidar as vozes que constroem as “diolindas”, tomaremos como suporte teórico o filósofo da linguagem Mikhail Bakhtin e seus conceitos de enunciado/enunciação, ideologia e dialogismo, e a linguista Jacqueline Authier-Revuz, que também trata da heterogeneidade da língua.
A pesquisa revelou, portanto, como a mídia jornalística – que se diz imparcial – construiu, dependendo do momento sócio-político, ora uma Diolinda santificada e mártir, ora uma Diolinda terrorista e demoníaca.

Palavras-chave: Mídia impressa. Movimento Sem Terra. Discurso. Mulher.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia, cultura e política: identidades, representações e configurações do público e do privado no discurso midiático


Título: Fundamentos para um Manual de Roteiros de Arte e Cultura  na TV
Autor(a): Dan La Laina Sene
Orientador(a): Anna Maria Balogh
Data da defesa: 17/09/2007
Resumo: Fundamentos para um manual de roteiros de arte e cultura na TV é uma pesquisa com metodologia bibliográfica e exploratória, com o objetivo de buscar elementos consistentes para a elaboração de um manual de roteiros de televisão para a redação de programas de arte e cultura.
Em tempos de fragmentação do conhecimento, é viável descobrir fundamentos para esse tipo de manual? A pesquisa centrou-se em três diferentes bases: 1) o estudo da televisão enquanto mídia no Brasil, desde sua origem, influenciada por outras mídias e artes (como o teatro, o cinema e o rádio), com destaque para sua história política, econômica e de programação, desde a implantação até tornar-se o meio mais poderoso e influente no Brasil, sem esquecer do público em seus lares; 2) o ensino de Rádio e Televisão nas universidades, como formadoras dos profissionais roteiristas 3) e, para completar o tripé,  um estudo do roteiro e do papel social do roteirista e sua ética. Vistos estes fundamentos, foi possível esboçar um manual em seu conteúdo e forma.

Palavras-chave: Comunicação.  Ensino. Televisão. Roteiro.   Arte. Cultura.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: Cultura Midiática: ”Malhação” e Erotismo. O diálogo entre o jovem e a linguagem erótica da tv.
Autor(a): Stefannia Domingues Pires Bastos Suguita
Orientador(a): Anna Maria Balogh
Data da defesa: 17/08/2007
Resumo: Esta pesquisa traz uma leitura da cultura midiática televisual brasileira a partir das linguagens, que a configuram, bem como a reflexão sobre sua contribuição educativa. Como instrumento para análise traz o programa Malhação, exibido pela rede Globo, há 12 anos e produzido para o  público adolescente.
A dissertação é realizada a partir dos referenciais teóricos sobre a linguagem erótica e a da TV, trazendo como principais autores: Baudrillard, Alberoni, Balogh, Fiorin e Octavio Paz. E, ao final, analisa sequências ilustrativas do discurso erótico de Malhação. 
A pesquisa apresenta a contextualização de Malhação na mídia; a diacronia dos programas para jovens da televisão brasileira; o estudo diacrônico do programa, analisando elementos discursivos e narrativos e os recursos técnico-expressivos que o estruturam. Além de definir o adolescente, público alvo de Malhação, apresenta também os conceitos sobre erotismo e seu campo semântico.
A dissertação mostra que, em termos de estratégias de abordagem do erotismo para o público jovem, os conteúdos eróticos e a linguagem que as expressam demonstram que Malhação se situa como um iniciador do jovem nos conceitos consagrados e ”politicamente corretos” e insinua possibilidades alternativas à iniciação sexual, como tema à eventual reflexão futura para os jovens.

Palavras-chave: Cultura Midiática. Erotismo. Adolescentes. Novela.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq


Título: A carnavalização da paternidade em episódios da série Os Simpsons
Autor(a): Daniela Sacuchi Amereno
Orientador(a): Eduardo Peñuela Cañizal
Data da defesa: 24/08/2007
Resumo: Este trabalho busca estabelecer uma aproximação entre um produto cultural midiático veiculado pela TV, a série animada Os Simpsons, com a teoria de Mikail Bahktin a fim de investigar e discutir a carnavalização da figura paterna. Analisando os processos narrativos de episódios selecionados, no plano da expressão e no plano do conteúdo, evidenciaram-se as configurações da paternidade, na série,  e a subversão da imagem e do estereótipo desse papel social.
Palavras-chave: Carnavalização. Seriado. Narrativa. Configurações expressivas.

Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de linguagens e produtos audiovisuais na cultura midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Percepção do Jogador na Realidade Virtual dos Videogames de Guerra: um Olhar Fenomenológico
Autor(a): Marcelo Carlos Falcão Meneghetti
Orientador(a): Eunice Vaz Yoshiura
Data da defesa: 30/08/2007
Resumo: O trabalho relata a investigação da percepção do jogador de videogames de guerra em primeira pessoa – jogados num ambiente de vivência intensa, repleta de armas, tiros, matar e morrer, e que tem características de tridimensionalidade comuns à experiência proporcionada pelo ambiente de realidade virtual – a partir de uma abordagem com base na Fenomenologia da Percepção de Maurice Merleau-Ponty (1999). A questão que o suscitou envolve a relação que essa experiência do jogo possa, ou não, ter com o real, considerando a subjetividade com que fenomenologia da percepção conceitua o termo. Outras questões formulam-se em decorrência desta: como atua a percepção na experiência de jogar videogames de guerra; como ocorre a percepção de si e do espaço no ambiente do jogo; como essa experiência afeta o sujeito; e indaga-se se esta experiência equivale à vivência da realidade. O objetivo do trabalho é explicitar a experiência daquele que joga videogame de guerra em primeira pessoa, na perspectiva do próprio jogador, e também a percepção de si mesmo, do espaço virtual do jogo, do uso das armas e outros objetos situados no espaço do jogo, da relação do corpo físico com o corpo virtual por meio dos dispositivos periféricos do computador — mouse, teclado, monitor e fones de ouvido, do próprio pensamento quando em equipe e das suas reações durante o jogo. Além de Merleau-Ponty, a abordagem teórica apóia-se no conceito de realidade virtual, a partir dos estudos de Cláudio Kirner (2007), e no conceito de polissensorialidade, a partir da pesquisa sobre as interações biomecânicas entre usuário e computador, desenvolvido por Lúcia Santaella (2004). O corpus escolhido para a pesquisa é o videogame Counter Strike, com temática de terrorismo e contraterrorismo, por sua popularidade em todo o mundo. Para levar a cabo a pesquisa, utilizou-se o método fenomenológico de Giorgi e o pesquisador fez-se sujeito da mesma, jogando no mínimo três vezes por semana durante dois meses. Da experiência, foram extraídos relatos descritivos e procedeu-se à redução fenomenológica, com a escolha de termos e expressões-chave, que deram origem às unidades de significado de cada experiência. Os resultados mostram que a vivência no universo dos videogames de guerra se processa da mesma forma que na realidade física, tanto pelas reações de ordem psíquica e fisiológica observadas no jogador, quanto pela forma como a subjetividade do jogador preside sua construção do real. A percepção de si mesmo no espaço virtual ocorre de forma ambígua: limitada às partes de si mesmo visíveis na tela, porém integrada ao corpo fenomenal, que reage e comanda a situação de jogo. A percepção do espaço ocorre com noção de tridimensionalidade, limitada às dimensões da tela, porém mais dinâmica quanto à movimentação. O jogador compara espontaneamente os espaços representados no ambiente virtual com os espaços existentes na realidade física. Paradoxalmente, o domínio do corpo virtual, das armas de jogo e da movimentação no espaço virtual ocorrem quando se deixa de pensar racionalmente. É o corpo fenomenal que toma posse da realidade virtual. Nas experiência realizadas, a curto prazo, o jogador foi afetado com irritação e mau humor. A médio prazo, tais sintomas desapareceram e o jogador manifestou mais agilidade e controle em situações que exigem respostas rápidas, no dia-a-dia.
A experiência evidenciou o potencial da vivência na realidade virtual como forma de aquisição de informação para a experiência da realidade, dada a similaridade entre ambas. Por outro lado, pelo fato de o jogador não sofrer sinestesicamente as consequências de seus atos durante o jogo, a experiência dos jogos de guerra em primeira pessoa fornece noções distorcidas da relação do mesmo com a realidade física.

Palavras-chave: Videogames. Guerra. Realidade virtual. Fenomenologia. Percepção. 
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Cultura midiática e grupos sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Televisão Fluída: sinestesia e metaformas na MTV Brasil
Autor(a): Silvia Cristina Jardim
Orientador(a): Solange Wajmman
Data da defesa: 31/08/2007
Resumo: Este trabalho tem como temática a MTV Brasil, sua linguagem, estética e formas visuais. Consideramos que as fronteiras das percepções do uso cotidiano da televisão e do computador estão se misturando e evoluindo na direção de uma linguagem audiovisual diferente que parece estar ligada ao surgimento da tecnologia da TV digital interativa. Nosso objeto de pesquisa é o ambiente televisivo da MTV Brasil e seus programas (cenários, imagens, sons e linguagem; como se comportam os apresentadores, gestos, falas, entonação de voz, posturas e expressões faciais), sendo que sua análise buscará demonstrar a hipótese de que esta emissora, segmentada e voltada para o público jovem, compreende e retrata as percepções de sua audiência derivadas do uso cotidiano dos computadores, utilizando-as como referência para a formatação de seus programas.
Para poder entender a configuração das formas, tomamos como base o viés das materialidades formulado por Gumbrecht (1998), que considera as formas visuais como o resultado das acoplagens do corpo humano às tecnologias de comunicação, antes mesmo da formação de qualquer sentido.
Partindo do olhar visionário de McLuhan (1974), analisamos o ambiente televisivo e sinestésico da MTV Brasil, com a intenção de entender como os corpos da sua jovem audiência estão sendo acoplados às tecnologias da televisão e do computador, mudando percepções, formas de ver o mundo, formas de se relacionar consigo mesmo e com os outros, proporcionando a configuração de outros tipos de mensagens.
A metodologia adotada se concentrou em entender as tecnologias da televisão e do computador e seu funcionamento, buscando pontos em comum, metáforas e correspondências, através de uma leitura transversal, conforme propõe Maffesoli (1998), o que significa que buscamos, através de colagens e aproximações sucessivas, estabelecer conexões entre as percepções derivadas do uso da tecnologia do computador e a formatação dos programas da MTV Brasil.
Estudamos, em especial, programas definidos por Johnson (2001) como metaformas, aqueles que já estão inseridos no universo da televisão, mas carregam, de maneira sutil, percepções que estão além de seu tempo, anunciando a chegada de outro veículo de comunicação que traga a possibilidade de uma linguagem sinestésica e interativa.

Palavras-chave: Televisão. Computador. Percepções. Sinestesia.  Metaformas. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: O Espelho de Annita
Autor(a): Ivany Sevarolli
Orientador(a): Carla dos Reis Longhi
Data da defesa: 14/09/2007
Resumo: A fotografia é a primeira das imagens técnicas, isto é, aquelas produzidas por máquinas. Na sequência apareceu o cinema, a televisão, o vídeo e a imagem digital. Hoje as imagens técnicas dominam os modos de compreensão e explicação do mundo, compondo a sociedade da imagem. Entretanto, o caráter icônico − aliado às facilidades de produção, reprodução e divulgação das imagens técnicas − tende a ofuscar a codificação existente em sua concepção.
Assim, esta pesquisa investiga a impregnação da cultura nos modos de produção e consumo do retrato fotográfico, considerado o mais emblemático neste processo de hegemonia da imagem técnica.

Palavras-chave: Fotografia. Retrato. História da fotografia. Cidade de São Paulo.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupo Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia, cultura e política: identidades, representações e configurações do público e do privado no discurso midiático


Título: A revista Capricho: imaginário, ficção e realidade
Autor(a): Edgard Bohn
Orientador(a): Barbara Heller
Data da defesa: 21/09/2007
Resumo: Esta dissertação faz uma análise dos discursos veiculados pela revista Capricho, da Editora Abril, no período de 1971 a 1982 e investiga possíveis motivos para o encerramento da publicação de fotonovelas na revista. Reúne 56 exemplares, do referido período, escolhidos de forma a contemplar cada ano com pelo menos 3 revistas. A metodologia aplicada foi a comparação de discursos ficcionais da fotonovela com os discursos não-ficcionais das matérias de conteúdo editorial. A abordagem tem como foco principal o dialogismo, na concepção de Bakhtin. O trabalho está dividido em quatro capítulos que organizam a base teórica, a exemplificação da aplicação da teoria apresentada e a confirmação da hipótese nas considerações finais. O primeiro capítulo discorre sobre a cultura de massa e a indústria cultural com o propósito de localizar o estudo no campo da comunicação e caracterizar o corpus como um produto cultural; também comenta a segmentação da mídia impressa caracterizando a imprensa feminina. A base teórica principal desta parte concentra-se na teoria de Edgar Morin. O segundo capítulo apresenta a teoria bakhtiniana que é abordada na aplicação de três conceitos principais: dialogismo, vozes e cronotopo; refere-se à integração que o texto da fotonovela representa dentro do contexto da revista, fornecendo ou reforçando a temática da imprensa feminina concentrada nos assuntos do coração. Além da definição, cada conceito é exemplificado com textos das revistas, sempre em bases comparativas. O terceiro capítulo apresenta a dinâmica comparação de discursos cuja temática é fornecida por um depoimento, gênero textual muito frequente na revista, na época. Os temas são exemplificados e comparados com enredos das fotonovelas. O quarto capítulo apresenta a ruptura do dialogismo entre os discursos presentes nos enunciados dos textos não ficcionais e os enredos das fotonovelas como um efeito um tanto quanto retardado das mudanças sociais ocorridas no ocidente, a partir da década de 1960, enfatizando aspectos da liberação sexual e do feminismo. Também inclui o aspecto da forma composicional da fotonovela (sequência de fotos e texto) em outros gêneros de texto da mesma revista como uma prerrogativa dialógica. Nas considerações finais, apresenta a confirmação da hipótese, comprovando que o afastamento e enfraquecimento do dialogismo, que havia entre os textos das fotonovelas e os outros textos de conteúdo editorial da revista Capricho, foi uma das causas que justificaram o desaparecimento da fotonovela da revista Capricho.

Palavras-chave: Fotonovela. Revista Capricho. Imprensa feminina. Bakhtin. Dialogismo. Vozes. Cronotopo. Discurso. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia, cultura, política: identidades, representações e configurações do público e do privado no discurso midiático


Título: Interfaces da cidade de São Paulo: estudo de configurações da mídia impressa e digital
Autor(a): Helena Sordili Ishara
Orientador(a): Solange Wajnman
Data da defesa: 21/09/2007
Resumo: Os jornais, folhas e revistas destacavam-se como veículos privilegiados na articulação dos novos sentidos e linguagens da vida urbana no início do século passado, e o são até os dias atuais. É por meio dessas folhas e revistas que podemos perceber as transformações dos modos de vida da metrópole e que, a partir delas, novos hábitos e costumes urbanos ganham visibilidade.
Hoje, com as evoluções tecnológicas dessas mídias, temos os jornais e as revistas disponíveis não apenas no formato impresso, mas também no digital, com acesso via internet ou celular, por exemplo.
Neste trabalho, trouxemos a análise da revista A Cigarra, do início do século passado, e da revista Veja São Paulo, para fazer uma comparação entre os modos de vida e a comunicação dos indivíduos, utilizando as interfaces dessas duas publicações, uma vez que ambas se reportam à cidade e têm propósitos parecidos: informar sobre o lazer, a cultura e a sociabilidade.
Para entender como ocorre o trânsito de mídias, em especial da revista impressa para a revista digital, analisamos a revista Veja São Paulo e os seus desdobramentos digitais como o celular, por exemplo. Essa migração para as mídias digitais também abre novas possibilidades de interação e acesso às informações e torna a comunicação mais interativa e fragmentada.
Utilizamos os conceitos de materialidade da comunicação, de interatividade e convergência, de design e design de hipermídia para entender como essa nova mídia está configurada sob os aspectos formais e o que ela proporciona de diferente ao usuário/leitor/interator.
Do ponto de vista da forma, identificamos que as mídias digitais, muitas vezes, perdem a visualização agradável, o manuseio fácil e a leitura fluída da revista impressa em função da nova forma que adquirem digitalmente. Em contrapartida, abrem novas possibilidades de comunicação, interação e formação de comunidades, se forem bem trabalhadas, tanto do ponto de vista da produção quanto da leitura e interação.
Já em relação à formação da cidade e dos espaços de socialização, as mídias digitais permitem que cada indivíduo seja um autor e produza sua própria fala, complementando o conteúdo dado e provocando novas formas e tendências de comunicação.

Palavras-chave: Interface. Revista. Portal. Interatividade.
Área de Concentração: Comunicação e cultura midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de linguagens e produtos audiovisuais na cultura midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A Produção Televisiva Infantil - Discovery Kids Brasil - Programa Lazytown
Autor(a): Edson Gardin
Orientador(a): Antonio Adami
Data da defesa: 21/09/2007
Resumo: O tema Televisão e Criança tem sido objeto de estudo de vários segmentos da sociedade, nos mais diferentes países. Através de trabalhos conduzidos por pesquisadores ligados à área científica, tem-se a informação sobre os mais variados resultados obtidos nas abordagens sobre o assunto. Afinal, como a criança vê a televisão? Qual a relação e a influência da mensagem por ela transmitida no imaginário infantil ou o que se pode chamar de Cultura Televisiva Infantil?
Diante dessas questões, a emissora de TV Discovery Kids Brasil, filial do grupo americano Discovery Channel, é um canal a cabo voltado para as crianças e que apresenta uma proposta didática diferenciada em toda a sua programação. Nos desenhos e programas que exibe, são apresentadas situações que abordam exemplos universais de conduta, cidadania moral e cívica.
Esta pesquisa, como um estudo de caso, aborda o equilíbrio na construção de uma estrutura pedagógica adequada e agregada à necessária experiência dos profissionais de televisão, ambos encontrados no programa infantil LazyTown, apresentado diariamente pela emissora Discovery Kids Brasil. Um fenômeno de sucesso mundial, a série estimula hábitos de vida saudáveis para as crianças, através das aventuras de um herói atlético que é sempre perseguido por um vilão preguiçoso e comilão. Também analisa a forma de produção do programa que emprega modernos recursos tecnológicos e percebe a abrangência de seu papel educativo nas crianças.
O método de trabalho adotado apoiou-se em reflexões de vários autores da área Semiótica, como: Lucia Santaella, Todorov, Bauman, entre outros. Bem como alguns autores críticos do meio, com suas reflexões sobre a televisão, a criança e a comunicação midiática, periódicos e sites.

Palavras-chave: Televisão. Criança. Produção Televisiva Infantil.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: O rap brasileiro na televisão aberta e nas rádios comunitárias - legitimação ou descaracterização?
Autor(a): Angela Celeste Bastos Meneguello
Orientador(a): Bárbara Heller
Data da defesa: 24/09/2007
Resumo: Esta dissertação pretende mostrar como a música rap é (re)produzida na tv aberta, visto que a origem está nas periferias e nas rádios comunitárias.
O trabalho é apresentado em três partes que organizam o corpo teórico e sustentam a hipótese da investigação. A primeira parte discorre sobre a história do rap. Na segunda parte, a dissertação situa a questão das rádios comunitárias, visando entender a veiculação da música rap nesta mídia alternativa. A terceira e última parte constitui o corpus da pesquisa e analisa as letras mais divulgadas pela mídia e também os programas da Rede Globo de Televisão: Cidade dos Homens, Central da Periferia, Antonia, Altas Horas e Falcão - Meninos do Tráfico, cujas trilhas sonoras são basicamente constituídas pelo rap.
A fundamentação teórica está embasada em autores como Mikhail Bakhtin, no que se refere à análise do discurso bem como aos  conceitos de “dialogismo” e “polifonia”; Umberto Eco, Zygmunt Bauman, Pierre Bordieu, Jesus Matin-Barbero, Nestor Canclini, Stuart Hall, Michel Mafesolli, Edgard Morin e outros, no que se refere à questão da comunicação midiática.  

Palavras-chave: Rap. Televisão. Rádio. Música. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia, cultura, política: identidades, representações e configurações do público e do privado no discurso midiático


Título: MADAME BOVARY: OS DES-CAMINHOS DA EDUCAÇÃO SENTIMENTAL FEMININA EM FLAUBERT, RENOIR, MINNELLI E CHABROL
Autor(a): João Carlos de Campos Leme
Orientador(a): Anna Maria Balogh
Data da defesa: 27/09/2007
Resumo:    A presente dissertação busca realizar a análise de aspectos da formação do personagem feminino de Emma Bovary em três adaptações cinematográficas realizadas por Jean Renoir em 1.934,  Vincente Minnelli em 1.948 e Claude Chabrol em 1.991 – todas versões de uma mesma obra da literatura francesa, mundialmente conhecida: Madame Bovary − de Gustave Flaubert.
Inicialmente o autor e sua obra são contextualizados em sua época histórica e significação dentro do campo das artes, através de instrumental teórico da Comunicação e  conceitos da Semiótica e Sociologia.
Neste estudo, explicitam-se  aspectos, previamente escolhidos, do imaginário feminino presentes em diferentes papéis atuacionais da personagem principal do romance, nas diferentes produções cinematográficas apontadas. A seguir, a partir das teorias citadas, são analisados os elementos das estruturas narrativas e discursivas da obra literária, assim como das adaptações cinematográficas.
Tal procedimento permitiu a comparação das mesmas, possibilitando o embasamento necessário para as conclusões sobre os principais  componentes que estiveram em jogo no cenário artístico e estético para a formação da personagem Emma Bovary, nos diferentes períodos em que ocorreram as transmutações cinematográficas, detectando-se as transformações e permanências dos elementos literários analisados.

Palavras-chave: Madame Bovary. Flaubert. Adaptações. Literatura. Cinema. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: O Aleph de uma imagem documental
Autor(a): Elisandro Aparecido Ascari
Orientador(a): Juan Guillermo Droguett
Data da defesa: 27/09/2007
Resumo: O Aleph de uma imagem documental é o título desta dissertação que tem como principal objetivo tentar demonstrar como a imagem constitui a matéria-prima do universo documentário. Para tanto, são estudados o movimento e as três instâncias da produção da imagem: dispositivo da câmera, enquadramento dos planos e a montagem, todas atreladas aos processos criativos do documentário. Usa-se também, como suporte, o filme documental Nós que aqui estamos por vós esperamos (1999) de Marcelo Masagão, para mostrar como a analogia estabelecida com o Aleph aplica-se ao processo de criação, na tentativa de representar o tempo e o espaço da época moderna, configurando uma grande alegoria do que foi o século XX: uma prefiguração da contemporaneidade.
O problema abordado parte do princípio de que o imaginário cultural, referido nas cenas propostas do documentário de Marcelo Masagão, possui o intuito de: (a) fusionar os aspectos históricos do período em questão com as imagens do próprio documentário e com os efeitos que tal fusão pode provocar no receptor; (b) identificar as transformações que a modernidade trouxe como novidade em termos de comportamento e modos de subjetivação.
A principal contribuição deste trabalho, que justifica a elaboração desta dissertação, é o uso metafórico da imagem literária do Aleph, de Jorge Luis Borges, e o método abdutivo, de Charles Sanders Peirce, em uma leitura do que pode ser a intenção comunicativa do gênero documentário.
A hipótese formulada referencia o caráter abdutivo do documentarista que, “persuadido” por suas próprias descobertas, procura integrar sua produção indutiva criando um produto cultural capaz de interpretar uma necessidade latente de informação e de crítica sobre os “fatos” que marcaram a época.
Os procedimentos metodológicos empregados partem de uma pesquisa bibliográfica a respeito das teorias peircianas, para aplicá-las à produção documentária nos três eixos: câmera, plano e montagem. A dissertação salienta a decupagem pormenorizada do documentário Nós que aqui estamos por vós esperamos e analisa algumas cenas que possuem caráter enunciativo a respeito do imaginário cultural ocidental representado.
A fundamentação teórica que serve como base ao projeto é de Charles Sanders Peirce no que se refere ao método abdutivo – fundamento científico da intuição, da descoberta e daquilo que o Aleph representa como metáfora. Vale-se, também, das obras de Régis Debray, Vida e morte da imagem (1992), e de Jacques Aumont, A estética do filme (1995), assim como de outros autores ligados à produção cinematográfica documental e às questões fundamentais do imaginário cultural.
Enfim, a dissertação tenta evidenciar a receptividade de um público “instruído” sobre os acontecimentos tratados no documentário Nós que aqui estamos por vós esperamos, para, fundamentalmente, informar o receptor  sobre o conteúdo do documentário e despertar seu espírito crítico no processo de comunicação por ele estabelecido.

Palavras-chave: Comunicação. Cinema. Cultura de Massa. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: A TV Universitária de Votuporanga pelos olhos da recepção e seu papel como mídia educativa local
Autor(a): Giselda Fernandes Poiani Gomes
Orientador(a): Eunice Ferreira Vaz Yoshiura
Data da defesa: 27/09/2007
Resumo: O presente estudo tem como objetivo investigar cientificamente um meio de comunicação social, a TV Universitária de Votuporanga, localizada no interior do Estado de São Paulo, vinculada à UNIFEV - Centro Universitário de Votuporanga.
Para tanto, foi elaborada uma pesquisa delimitando a região de recepção do veículo, bem como sua audiência para, posteriormente, avaliar a influência que ele exerce quanto à disseminação das informações locais e regionais de interesse das comunidades e como pode servir de instrumento de sociabilidade entre corpo docente, discente, dirigentes e funcionários da respectiva instituição de ensino superior, e população local receptora.
Assim, procura-se averiguar, neste trabalho, em que circunstâncias a TV Universitária ocupa um espaço voltado para a conquista e para a afirmação da cidadania dessa população local receptora, quando se relaciona a oportunidade de contribuição da UNIFEV como parte de uma política maior de educação e cultura.
Também se considera a possibilidade de disseminação do conhecimento produzido pela UNIFEV, com uma produção televisiva orientada pelos próprios receptores, partindo de uma intenção maior de democratização do meio, visando ao fortalecimento da cidadania, diferente da passividade e do assistencialismo difundido atualmente entre a população local.    
Do ponto de vista das ciências da comunicação, realiza-se uma abordagem do meio de comunicação e seu processo social, na tentativa de entender as oportunidades de uma TV Universitária.
O trabalho parte do pressuposto de que é importante a recepção na construção da TV Universitária de Votuporanga, antevendo para essa emissora a possibilidade de realizar processos para a democratização do meio. Para tanto, foram utilizados os conceitos de TV educativa e mídia local e comunitária apresentados por Cicília Maria Krohling Peruzzo (2003).   As referências sobre as TVs Universitárias, em especial, foram encontradas no site da Associação Brasileira de Televisão Universitária – ABTU. Além disso, foram consultados artigos, monografias e dissertações, disponibilizados na Internet, de autores como Priolli (2004), Magalhães (2003), Lima (2004), Ramalho (2005), Brazil (2006) e Trigueiro (2001).
Também foram de relevância as contribuições de Ciro Marcondes Filho (1988) para entender a democratização do meio, não no sentido da multiplicação de canais retransmissores, mas no seu "produto": o que vai ser veiculado e o seu conteúdo, do ponto de vista da recepção, permitindo uma inter-subjetividade com o objeto de estudo.
Nessa concepção da atuação da universidade junto à população por meio da TV Universitária, buscou-se entender o exercício da democracia enquanto jogo da cidadania baseado na participação da população local, em Pedro Demo (1980).
O procedimento inicial para este trabalho de pesquisa foi estudar a natureza da TV Universitária de Votuporanga, desde a sua criação até as suas relações com a academia e a população local.
Com a intenção de ouvir a população sobre a TV Universitária de Votuporanga e sobre as TVs comerciais em geral, pressupondo a audiência pelo seu caráter local e considerando o levantamento da opinião desse público, partiu-se para a seleção dos pesquisados, tendo em vista uma parcela do município de Votuporanga.
Após a identificação do universo de pesquisa, avaliou-se que ele possuía características comuns aos telespectadores da TV de maneira geral e da TV Universitária de Votuporanga, tendo em vista a acessibilidade aos meios. De maneira geral, detinham informações sobre o tema a ser explorado. Optou-se para a pesquisa, pelo estudo por amostragem já que se decidiu englobar apenas parte dessa população, realizando a pesquisa com amostras retiradas em todos os bairros de Votuporanga.
Essa ação junto ao pesquisado possibilitou a coleta de informações que foram além do questionário, pois se desenvolveu um diálogo entre pesquisador e pesquisado. Dessa maneira a pesquisa caracteriza-se também como Pesquisa de Opinião. Para, Novelli (apud DUARTE; BARROS (Org).2005, p.164.) a Pesquisa de Opinião tornou–se um método de investigação científica na maioria dos campos do conhecimento, inclusive em Comunicação Social.  
Com a técnica da Pesquisa de Opinião, procurou-se saber do entrevistado, por meio de questionário com perguntas fechadas, quais as preferências e hábitos que as pessoas têm com relação à TV de uma maneira geral e à TV Universitária.
Mesmo reconhecendo que o tipo de entrevista com resultados objetivos pode, num primeiro momento, não se apresentar como recurso metodológico, na escolha foi pautada a oportunidade de colher dados que indicassem uma diferenciação ou semelhança às respostas que se esperava e também explorar, a partir da investigação pessoal e individual, possibilidades para uma análise estruturada das percepções, experiências e das circunstâncias em relação à TV Universitária de Votuporanga.
A análise dos resultados levantados, em relação à atual situação da TV Universitária de Votuporanga, permitiu construir uma nova visão dos problemas de recepção. Dessa forma, chegou-se à conclusão de que a possibilidade de interação da recepção com a produção televisiva, além de mobilizar a população para o veículo, também pode tornar possível uma aproximação maior entre o Centro Universitário de Votuporanga, UNIFEV e a população local, na medida em que a academia tenha respostas aos problemas sociais, tanto por intermédio dos programas exibidos, quanto no aprendizado da produção de audiovisuais.
Concluiu-se também que, através do estudo da democratização do meio, pode-se chegar às possíveis utilizações deste pela população, tendo também em vista as atuais discussões sobre a implantação da TV digital no Brasil.

Palavras-chave: Televisão Universitária. Recepção. Participação.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq:


Título: Estética cinematográfica do "estranho" feminino em Carrie, A Estranha
Autor(a): Juliana Porto Chacon
Orientador(a): Juan Guillermo Droguett
Data da defesa: 28/09/2007
Resumo: Estética cinematográfica do “estranho” feminino em Carrie, A Estranha é o título dessa dissertação de mestrado que tem o objetivo de refletir sobre como a concepção estética de uma obra cinematográfica é capaz de gerar identificação com o público receptor, utilizando o campo simbólico como instrumento de representação de uma “realidade possível”.
Em busca da elucidação sobre como o fenômeno cinematográfico interage com a audiência feminina, contribuindo para a geração de efeitos, adentramos as bases teóricas da fenomenologia da percepção e da física quântica, entendendo essas duas correntes como os pilares fundamentais para a percepção natural do espectador, frente ao campo simbólico da obra em questão.
Construído a partir dos princípios básicos do “gênero terror”, o filme Carrie, A Estranha, busca envolver o receptor em uma temática religiosa emergida da assim denominada estética do estranhamento. Para definição desse estranhamento estético, apoiamos nosso estudo nas quatro questões psicanalíticas, vividas pelas personagens principais (Angústia, Pulsão, Narcisismo e Desejo),  que são consideradas cruciais para a concepção do Belo/Horrível na construção de uma imagem.
Ainda com relação aos elementos constituintes da narrativa ficcional em Carrie, A Estranha, que nesse caso se constitui no próprio protagonismo do filme, aparece a problemática dos gêneros associada diretamente à seleção do público espectador.
Um estudo sobre a geração de efeito, por meio dos enunciados trazidos pelo cinema, pode representar um rico caminho de conhecimento sobre a percepção humana, à medida que o fenômeno cinematográfico representa um dos maiores recursos para o despertar das sensações humanas.
Assim, essa dissertação justifica-se por aprofundar as discussões existentes sobre a estética cinematográfica e a simbologia empregada no processo criativo do cinema, para a construção imagética da obra que, certamente,  representa o elo entre a obra e o receptor, ou seja, entre a ficção e o sujeito, ou ainda, entre o ser humano e a sociedade midiática, típica dos séculos XX e XXI.  
Este estudo é caracterizado (a) por uma pesquisa teórica que aprofunda o entendimento sobre os conceitos propostos pelos autores que constituem o referencial teórico do projeto, nos diferentes campos do conhecimento: teoria da percepção, estética cinematográfica e física quântica; (b) por uma pesquisa prática e exploratória, à medida que os conceitos teóricos são aplicados na análise do fenômeno cinematográfico como aparelho reprodutor da realidade que, ao utilizar símbolos em sua construção estética, permite que a obra gere uma identificação com o público espectador.
A base teórica da dissertação é constituída por três autores cujas obras pertencem a campos distintos do conhecimento.  Na abordagem sobre as questões centrais que se referem à possibilidade individual do ser humano construir seu próprio conhecimento e sua própria realidade, formando assim uma rede ímpar de signos responsáveis por múltiplas “visões de mundo”, utilizamos a física quântica, que representa uma ideologia típica do século XX, por meio do cientista Amit Goswami e sua obra A Física da Alma: uma explicação científica para a reencarnação, a imortalidade e experiências de quase morte (2005).  Na exposição sobre como a simbologia presente na obra é capaz de gerar efeito de sentido, garantindo a identidade com o espectador, utilizamos a obra A Percepção: uma teoria semiótica (1998), de Lúcia Santaella. Ainda com relação à análise da rede de signos particular de cada observador, suscitada pela estética cinematográfica, empregamos os conceitos de Maria Inês França e sua obra Psicanálise, Estética e Ética do Desejo (1997), na elucidação dos conflitos vividos pelas personagens principais (mãe e filha), como fatores determinantes do processo criativo dos recursos estilísticos do Belo/Horrível voltados para o público feminino.
A partir dessas fundamentações teóricas, o estudo procura fundamentar a estética do estranhamento, a partir das categorias do Belo/Horrível e da teoria da recepção, definindo os parâmetros de recepção feminina no contexto da identificação cinematográfica.  

Palavras-chave: Cinema. Estética. Percepção. Psicanálise. Estranhamento.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Cultura Midiática e Grupos Sociais
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Escola crítica de cinema


Título: Construindo o Gênero: Feminilidade através do Discurso dos Depoimentos na Revista Nova.
Autor(a): Mônica da Silva
Orientador(a): Bárbara Heller
Data da defesa: 28/09/2007
Resumo: O presente trabalho destina-se a investigar o discurso construído sobre as mulheres nas páginas de NOVA e a mulher que é apresentada na Seção depoimentos. Uma mulher construída como a “Mulher Maravilha” através da capa e no decorrer das páginas, fortalecendo constantemente que a beleza o sexo é fundamental para a mulher de NOVA e o paradoxo da Mulher Real que aparece na Seção Depoimentos, uma mulher frágil, insegura, que sonha encontrar o seu príncipe, vencer os seus medos. Partiremos do entendimento que o discurso jornalístico, aparentemente dito imparcial que incorpora ideologias de determinados grupos sociais, produzindo assim certos efeitos no leitor. Na revista há intenções de reforçar certos valores através dos mitos da beleza, como fator fundamental para a mulher, apresentado através das capas e reportagens sobre sexo. Para cumprir esta pesquisa foram analisadas as doze edições de NOVA no ano de 2006, sendo retirados para discussão seis artigos, que entendidos como fundamentais para a conclusão deste trabalho. Para refazer essa trajetória e elucidar as “vozes” que constroem a mulheres, serão usados como suporte teórico o filósofo da Linguagem Mikhail Bakhtin e seus conceitos sobre dialogismos/vozes, também, como suporte para gênero Joan Scoot; para explicar o mito da beleza Naomi Wolf, além das contribuições de Maria Celeste Mira, Dulcília Buitoni e Collette Dowling.

Palavras-chave: Mídia Impressa. Discurso. Mulher.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Contribuições da mídia para a interação entre grupos sociais.
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Mídia, Cultura e Política: identidades, representações e configurações do público e do privado no discurso midiático


Título: Configurações Estéticas e figurino da telenovela O Clone
Autor(a): Elisa Fajoli Navarro
Orientador(a): Solange Wajnman
Data da defesa: 26/10/2007
Resumo: Configurações Estéticas e figurino da telenovela O Clone estuda os jogos de apropriações estéticas dessa telenovela  e seus reflexos sobre a moda de rua entre os anos de 2001 e 2002. São investigadas as origens dos principais elementos do figurino e a repercussão da trama, junto aos telespectadores, através dos diferentes veículos midiáticos.
 A configuração estética dessa telenovela é construída através da aglutinação de elementos variados, originários de civilizações orientais diversas. Isto resulta  numa composição estética inusitada, a qual emitiu uma “forma” dita “árabe”, tanto na telenovela quanto na moda de rua, que a população apreendeu como sendo “coisas das Arábias”.
Assim, o principal objetivo deste trabalho é identificar esta “forma” e entender como ela é constituída, captada pelos telespectadores e transmitida para a moda de rua, influenciando as escolhas dos telespectadores não apenas quanto à vestimenta e acessórios, mas também quanto a comportamentos incorporados no cotidiano.
O referencial teórico utilizado encontra-se no pensamento de Maffesoli (1989 e 1996), ao considerar que, por meio da moda são construídas imagens que refletem a vida e o cotidiano, reproduzindo-se velozmente por meio das interconexões com variados campos, constituindo, assim, uma “forma”.  Conforme o pensamento de Barnard (2003) são utilizadas algumas noções comumente verificadas nas produções sociais da pós-modernidade, como a intertextualidade, a alegoria, o pastiche e a bricolage, que servem como suporte teórico para a compreensão de como são formados os elementos estéticos na contemporaneidade.
 As análises descritivas apresentam os principais cenários e figurinos das cenas que exibem o núcleo árabe da telenovela. As entrevistas com especialistas em cultura árabe e dança do ventre auxiliam na elucidação dos sentidos originais de alguns elementos da trama.
As configurações estéticas da telenovela baseiam-se em elementos diversos da cultura oriental, nem sempre originários do Marrocos ou de outros países árabes,  como se fez parecer em O Clone. Mesmo quando encontradas referências históricas da civilização árabe, muitas vezes esses elementos  apresentam-se destituídos de suas conotações originais e foram reconfigurados pela cultura ocidental. Ao serem reapropriados pela moda de rua, esses elementos ainda sofrem novas transformações, conforme se constata através de pesquisa na mídia especializada em moda.
Assim, acredita-se que este trabalho pode contribuir para a compreensão dos processos de construção, reprodução e disseminação das formas estéticas na sociedade contemporânea.

Palavras-chave: Moda. Cultura midiática. Telenovela. Figurino. 
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configurações de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Moda, comunicação e cultura


Título: O Serviço Brasileiro da Deutsche Welle
Autor(a): Eliana Grossmann
Orientador(a): Antonio Adami
Data da defesa: 07/12/2007
Resumo: Nosso objetivo com esta pesquisa é entender como se estruturou o Serviço Brasileiro de Rádio da Deutsche Welle, emissora internacional alemã. Ela tem como foco principal o período oficial das transmissões radiofônicas para o Brasil, que se deu entre os anos 1962 e 1999. Este é um trabalho memorial, baseado em entrevistas feitas com profissionais e antigos funcionários da emissora. Além destas entrevistas, foi feito um estudo exploratório que analisou a documentação disponível nos arquivos da emissora, coletou informações divulgadas na mídia e pesquisou bibliografia sobre o tema. Complementarmente foi feita uma pesquisa presencial, na sede da emissora e na Universidade de Colônia, na Alemanha.
Esta dissertação está dividida em três capítulos principais. O primeiro abrange os temas: serviços internacionais, emissoras públicas e ondas curtas, fazendo uma correlação com o Serviço Brasileiro de Rádio da Deutsche Welle; o segundo apresenta a emissora Deutsche Welle, com sua estrutura, história e características sócio-políticas; o terceiro capítulo é dedicado ao Serviço Brasileiro da emissora internacional alemã, com suas mudanças ao longo de sua existência, sua programação e seus profissionais.

Palavras-chave: Deutsche Welle. Emissoras internacionais. Rádio. Ondas-curtas. Radiodifusão.
Área de Concentração: Comunicação e Cultura Midiática
Linha de Pesquisa: Configuração de Linguagens e Produtos Audiovisuais na Cultura Midiática
Grupo de Pesquisa da UNIP cadastrado no CNPq: Comunicação, Cultura e Memória